51º Festival de Verão e Inverno de Campos do Jordão terá apresentações 100% online

O Festival de Verão e Inverno de Campos do Jordão, reconhecido como o maior evento de música clássica da América Latina e realizado pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa e pela Fundação Osesp e em parceria com a Prefeitura Municipal de Campos do Jordão, chega à sua 51ª edição em um formato especial., 100% online. O de inverno ocorre de 3 de julho a 1º de agosto nas cidades de Campos do Jordão e São Paulo e o de Verão de 15 de janeiro a 13 de fevereiro de 2022, estabelecendo duas versões anuais.

O 51º Festival de Inverno deste ano terá transmissões ao vivo todos os dias, após ter sido adiado devido à pandemia de coronavírus. Serão ao todo 43 concertos, sendo 39 no Auditório Claudio Santoro e 4 na Sala São Paulo, com apresentações de Roberta Sá (4/7), Nelson Ayres e Vanessa Moreno (11/7), Mart’nália (18/7), Renato Braz (1º/8) e homenagens aos 250 anos de Beethoven e 100 anos de Astor Piazzolla. Elas poderão ser assistidas no YouTube do Festival e na plataforma #CulturaEmCasa, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, bem como pela TV Cultura e Rádio Cultura FM, e Facebook do canal de televisão.

No módulo pedagógico, o Festival receberá ao todo 135 alunos, se alternando entre aulas virtuais e presenciais na Sala São Paulo e divididos em 16 classes, além de duas orquestras acadêmicas com cerca de 60 alunos cada. tudo transmitido simultaneamente para as salas de aula virtuais da plataforma Educação Osesp, num total de 800 horas de aulas para aperfeiçoamento profissional.

Haverá ainda o Prêmio Eleazar de Carvalho, dedicado ao maestro criador do Festival, que premiará o músico destaque do evento. As apresentações seguirão respeitando rigorosamente os protocolos de segurança e saúde, bem como as restrições em vigor nas respectivas cidades. Serão formatos reduzidos de orquestras, com ênfase na música de câmara, além de apresentações de, no máximo, 1h de duração.

“O Festival de Campos do Jordão é o maior evento de música clássica da América Latina e temos procurado aperfeiçoa-lo e aprofundá-lo a cada edição”, diz Sérgio Sá Leitão, Secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.  “A partir de agora passaremos a ter duas edições. A tradicional, de inverno e, a partir de 2022, a de verão, que tende a potencializar o festival e ampliar seu alcance e impacto positivo no turismo, geração de renda, emprego e oportunidades na região do Vale”, afirma.

Como na edição de 2019, que bateu recorde de público com 151 mil espectadores e 133 concertos em 9 palcos, durante 153 horas de música, a programação artística do Festival continua estruturada em dois eixos musicais principais: Clássico, com curadoria da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo — Osesp, e Popular-Sinfônico, com curadoria da Jazz Sinfônica Brasil – que, assim como a Osesp, é um corpo artístico da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

“O Festival ocupa o papel de oferecer um último polimento e abrir janelas, para que o estudante possa olhar para si, para os colegas e para o caminho profissional que se descortina à sua frente”, diz Fábio Zanon, coordenador artístico-pedagógica da Fundação Osesp e do Festival de Campos do Jordão. “Isso não se refere apenas a tocar bem seu instrumento, mas também à sua inserção dentro de uma sociedade que vai absorvendo a música como patrimônio cultural e ferramenta de transformação social”, afirma.

PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA

O eixo Clássico traz como destaques as celebrações dos 250 anos de Beethoven (comemorados em 2020) e do centenário de Astor Piazzolla, celebrados em 2021. Haverá ainda obras compostas por mulheres, do passado e do presente, como Fanny Mendelssohn, Cécile Chaminade, Lili Boulanger e as brasileiras Clarice Assad e Marisa Rezende, entre outras.

A Osesp, comandada por seu Diretor Musical e Regente Titular, Thierry Fischer, faz o concerto de abertura do Festival (3/7, 20h, Auditório Claudio Santoro), interpretando a Sinfonia nº 2, de Rachmaninov. Nesse mesmo palco, ao longo do Festival, apresentam-se também: Orquestra Jovem do Estado – Ojesp, São Paulo Chamber Soloists, Orquestra do Theatro São Pedro, Orquestra Experimental de Repertório, entre outras, além da Orquestra do Festival, que neste ano será dividida em dois grupos por conta dos protocolos sanitários — um sob regência de Cláudio Cruz e outro com Giancarlo Guerrero. Haverá ainda um terceiro grupo do eixo pedagógico, este formado por bolsistas e professores do Festival interpretando um programa barroco, sob direção do violinista Luis Otavio Santos.

O Auditório Claudio Santoro também será palco de 20 concertos de câmara, com nomes como os pianistas Hércules Gomes e Lucas Thomazinho, o Quarteto Camargo Guarnieri, o Quarteto Osesp e o Escualo Ensemble.

Na Sala São Paulo, a Jazz Sinfônica realiza quatro concertos unindo a música orquestral ao repertório popular. Os convidados serão Roberta Sá (4/7), Nelson Ayres & Vanessa Moreno (11/7), Mart’nália (18/7) e Renato Braz (1º/8).

PROGRAMAÇÃO PEDAGÓGICA

A edição deste ano do Festival oferecerá 20 masterclasses transmitidas ao vivo da Sala São Paulo, de segunda a sexta-feira, com 3 horas de duração cada uma. Entre os professores, destacam-se o trompetista Pacho Flores (solista internacional), a pianista Yulianna Avdeeva (solista internacional), a flautista Silvia Careddu (professora da Hanns Eisler Berlin e da Barenboim-Said Akademie, entre outras), o violinista Boris Brovtsyn (solista internacional), o contrabaixista Martin Heinze (Filarmônica de Berlim) e o trombonista Joe Alessi (Filarmônica de Nova York). Nomes de referência no cenário internacional, eles estarão fora do Brasil e irão ministrar as aulas à distância — o público terá a oportunidade de interagir através do chat.

SOBRE O FESTIVAL DE VERÃO E INVERNO DE CAMPOS DO JORDÃO

Criado em 1970 pelos maestros Eleazar de Carvalho, Camargo Guarnieri e Souza Lima, o Festival de Verão e Inverno de Campos do Jordão Dr. Luís Arrobas Martins foi inspirado no Festival de Tanglewood, nos EUA, e combina, com excelência, uma programação de música de concerto a um trabalho pedagógico amplo e qualificado.

Ao longo de suas 50 edições, o evento se consolidou como o maior e mais importante festival de música clássica da América Latina, oferecendo aos bolsistas a vivência com importantes nomes da música nacional e internacional e, paralelamente, uma programação cultural de qualidade – em grande parte gratuita –, que beneficia não somente a cidade de Campos do Jordão como todo o seu entorno, ampliando as oportunidades de acesso à música erudita.

REALIZAÇÃO

O 51º Festival de Verão e Inverno de Campos do Jordão é um programa do Governo do Estado de São Paulo, realizado por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa e pela Fundação Osesp. Tem direção executiva de Marcelo Lopes, direção artística de Arthur Nestrovski e coordenação artístico-pedagógica de Fábio Zanon.

Esta edição conta com o patrocínio da Rede, Sabesp, XP Investimentos e Instituto Cultural Vale, apoio da Fritz Dobbert e da Unigel e promoção da Folha de S. Paulo, Band News e 29 Horas.

AMIGOS DO FESTIVAL

Desde 2013, a Fundação Osesp conta com a colaboração de uma rede de estabelecimentos comerciais da cidade de Campos do Jordão, que contribui para a divulgação de informações sobre a programação de concertos. Esses estabelecimentos recebem um selo que os identifica como Amigos do Festival e mostra engajamento com um dos mais tradicionais projetos culturais da cidade.

 

Fonte: Governo do Estado de São Paulo