TSE segue MP Eleitoral e decreta perda de mandato do deputado federal Evandro Roman por infidelidade partidária

Eleitoral

25 de Novembro de 2021 às 19h22

TSE segue MP Eleitoral e decreta perda de mandato do deputado federal Evandro Roman por infidelidade partidária

Evandro Rogério Roman não conseguiu demonstrar justa causa trocar o PSD pelo Patriota, contrariando legislação eleitoral

arte retangular sobre foto de uma pessoa confirmando o voto na urna eletrônica. Está escrito eleitoral ao centro, na cor branca.


Arte: Secom/MPF

Seguindo parecer do Ministério Público Eleitoral, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu, nesta quinta-feira (25), o julgamento de um processo envolvendo o deputado federal Evandro Rogério Roman (Patriota) e decretou a perda do seu mandato por infidelidade partidária. Por maioria, o colegiado entendeu que o parlamentar não demonstrou justa causa para deixar a legenda. Segundo a Lei dos Partidos Políticos (Lei 9.096/1995), é permitida a desfiliação no curso do mandato somente se houver mudança substancial do programa partidário, grave discriminação política pessoal ou a chamada janela partidária, que é o período de 30 dias que antecede o prazo de filiação exigido em lei para disputar as eleições.

Roman assumiu o cargo de deputado federal pelo Paraná na condição de primeiro suplente da Coligação PSD/PSC/PR/Pode. Em 2019, desfiliou-se do PSD e migrou para o Patriota, tendo apresentado carta de anuência do antigo partido, na qual a legenda concordava com a saída da agremiação. Esse fato levou a Reinhold Stephanes Júnior, segundo suplente da coligação, e Edmar de Souza Arruda, terceiro suplente, a apresentarem ao TSE ação de decretação de perda de mandato eletivo por desfiliação partidária.

Para o MP Eleitoral, a carta de anuência apresentada por Roman, por si só, não se equipara às hipóteses de justa causa para a desfiliação elencadas na Lei dos Partidos Políticos. Tais documentos são de natureza particular, produzidos unilateralmente, e provam apenas a ciência da desfiliação, mas não a justa causa. Isoladamente, não são instrumentos hábeis a provar a alegada grave discriminação política pessoal sofrida.

“Evandro Rogério Roman, em momento algum, mencionou a existência de justa causa para a sua desfiliação do PSD, destacando apenas que o partido anuiu com sua decisão, considerando os relevantes serviços por ele prestados”, destaca o parecer do MP Eleitoral. A forma como a questão foi abordada pelo próprio parlamentar revelou que sua desfiliação foi motivada muito mais por conveniência político-eleitoral do que calcada em uma das hipóteses previstas em lei.

Esse foi também o entendimento do relator do processo, ministro Edson Fachin, o qual foi acompanhado pelos ministros Sérgio Banhos, Tarcisio Vieira de Carvalho e Luís Roberto Barroso. A maioria deliberou no sentido de julgar procedente o pedido e decretar a perda do mandato do deputado federal em razão da desfiliação sem justa causa, com comunicação ao presidente da Câmara dos Deputados para cumprimento imediato da medida.

Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República
(61) 3105-6409 / 3105-6400 
[email protected]
facebook.com/MPFederal
twitter.com/mpf_pgr
instagram.com/mpf_oficial
www.youtube.com/tvmpf



Fonte: Ministério Público Federal

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário