Trabalho sobre doenças hepáticas ganha reconhecimento

Um estudo coordenado pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi reconhecido no 19º Congresso Brasileiro de Obesidade e Síndrome Metabólica. Premiado na categoria Melhor tema livre, o trabalho foi apresentado por Evelyn Nunes Goulart da Silva Pereira, aluna de doutorado do Programa de Pós-graduação em Biologia Celular e Molecular do IOC/Fiocruz, sob a orientação de Anissa Daliry, chefe do Laboratório de Investigação Cardiovascular do Instituto.

Intitulado Fluorescent age levels in elsa-brasil study: a potential plasmatic biomarker for risk stratification of nafld-associated steatosis, o estudo avaliou níveis de glicação avançada fluorescente (AGE) em 305 indivíduos com doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) no Rio de Janeiro. “Concluímos que a quantificação de AGEs fluorescentes plasmático por espectroscopia se mostrou um método alternativo promissor para classificar e graduar DHGNA de acordo com a esteatose hepática”, destacou Evelyn.

Também participaram do trabalho, Beatriz Peres de Araujo, aluna de mestrado do Programa de Pós-graduação em Biologia Celular e Molecular do IOC/Fiocruz, Rosane Harter Griep, do Laboratório de Educação em Ambiente e Saúde do IOC/Fiocruz, Maria de Jesus Mendes da Fonseca da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), Daniela Polessa Paula, da Escola Nacional de Ciências Estatísticas e Maria de Fátima Haueisen Sander Diniz, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O Congresso Brasileiro de Obesidade e Síndrome Metabólica é uma realização da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

Fonte: Fundação Oswaldo Cruz