Semed: Acolhimento, alegria e cuidados marcam o primeiro dia de retorno das aulas presenciais

A sirene das escolas municipais voltaram a soar anunciando o  retorno das aulas presenciais. Nas escolas Doralice de Andrade Vieira, no bairro Belo Horizonte, e na João Anastácio de Queiroz, na Folha 16, Nova Marabá, foi repleto de alegria  e  muita atenção por parte de todos os agentes da escola, inclusive dos alunos, que adentraram o ambiente devidamente usando máscaras doadas pela Secretaria Municipal de Educação (Semed). Cada aluno recebeu duas máscaras de algodão. As duas referidas escolas foram revitalizadas recentemente e além dos protocolos sanitários, os alunos do 1º ao 9 ano se depararam com um espaço novo e aconchegante.  

Nas salas de aulas, os alunos foram recebidos com música, cartazes de boas-vindas e palestras sobre os cuidados no combate ao coronavirus. Com apenas 50% dos estudantes, os assentos são alternados entre um aluno e outro. As janelas ficaram abertas e os ventiladores voltaram a funcionar.  O álcool em gel está disponível por toda a escola, bem como os avisos e sinalizações fixados em pontos estratégicos. Água e sabão também não faltam para a higienização das mãos. O intervalo agora não conta com a recreação, sendo o lanche servido e organizado, de forma escalonada, entre os alunos do ensino fundamental menor e o maior.

Escola Doralice Vieira

Na  Escola Doralice Vieira, onde estão matriculados 549 alunos, o primeiro dia de retorno foi uma mistura de sentimentos. “Todos estávamos eufóricos. Foi um dia muito bacana, gratificante, de alegria. Um dia de acolher, saber que os alunos estavam todos com vontade de voltar pra escola, alguns ainda com um pouquinho de receio, mas a maioria veio e com vontade de estudar”, observa Maria da Consolação Moraes, gestora da escola.

Maria da Consolação Moraes, gestora da escola

Por lá, a parceria entre a escola e os pais parece ter surtido efeito e os estudantes demonstraram muita conscientização do momento vivido. Matar a saudade da escola sem quebrar as regras, como descreve Areta Morgana dos Santos, de 9 anos, aluna do 4º ano. “Tá muito melhor porque agora a gente pode estudar com os professores ensinando a nós na sala. Hoje a professora deu um coração pra nós e pediu pra gente desenhar o que estava sentindo e eu desenhei muitos corações de alegria porque voltei às aulas, mas sei que não posso ficar perto dos meus colegas, não posso ficar sem máscara” disse a pequena.

Quem também está por dentro das normas e feliz pelo retorno pra escola é o Lucas Adriel Miranda, também de 9 anos. “Hoje está sendo muito legal. Esse corona atrapalhou esses dias toda a gente estudar. Eu sentia falta dos meus coleguinhas, da professora, das aulas. Quando fiquei sabendo da volta eu senti felicidades. Pra não adoecer eu não posso pegar nos colegas, sempre ficar de máscara  e usar o álcool em gel”, comenta.

Muito contente, Alice Barros, 9 anos, voltou pra escola logo no primeiro dia e percebeu muitas mudanças assim que entrou. “Quando entrei na escola percebi o álcool em gel, as marcas no chão, a distância, são coisas pra gente fazer e não pegar o coronavirus. Está muito bom porque eu voltei a estudar. Estava com saudades dos meus estudos. Eu estava com saudade da sala de leitura”, descreve a aluna.

Para Elida Vitoria, Hyanna Géssica e Natália Santos todas do 9 ano, o retorno foi importante para a conclusão do ensino fundamental. “Está melhor porque em casa querendo ou não bate aquela certa preguiça e na escola a gente tenta se esforçar mais e ainda tem ajuda dos professores, a gente consegue interagir mais”, disse Elida Vitória de Sousa.

“Em casa não estava tendo concentração, porque tenho muitos irmãos. Com a volta às aulas está sendo bem melhor”,  pontua Hyanna Géssica Silva.

“Passei muito tempo fora da escola, deu um frio na barriga. Mas agora vai ser melhor tirar as dúvidas, pelo celular é muito ruim, e os professores não estão o tempo todo disponível. Então muito melhor”, afirma Natalia Santos.

Escola João Anastácio de Queiroz

Mariluce Leal, gestora da escola João Anastácio observa que a primeira semana de acolhimento está sendo de ajustes e adaptações. “Estamos felizes, pois estávamos angustiados pelo retorno deles. É bom ver a casa cheia, os professores receberam os alunos com muito carinho. Os alunos  retratando como estão se sentindo nesse retorno. Vamos seguir com a semana de acolhimento, porque na semana que vem vamos receber o segundo grupo de alunos do 6º ao 9º ano, que não retornaram hoje. Na verdade será um acolhimento contínuo até dezembro”, enfatiza a gestora.

Mariluce Leal, gestora da escola

Para os alunos o sentimento é de recuperar o tempo perdido e aproveitar a escola ao máximo até voltar a normalidade. “Quando fiquei sabendo que as aulas iriam voltar fiquei bem feliz e fui logo arrumando meu material. Tava com saudades das aulas”, descreve Mariah Clara Soares, aluna do 3º ano.

“Fiquei com muita saudade, reencontrei meus amigos, gostei muito. Acordei hoje às seis da manhã pulando de felicidade. Tava sentindo falta de abraçar, mas sei que não posso abraçar. Vou me proteger pra não pegar o coronavirus porque ele tá solto no ar”, comenta Davi Iury Lira, do 3º ano.

“Eu achando muito bom, porque eu vendo meus amigos, participando das aulas presenciais. A aula on-line é complicada porque tem dias que a internet ruim e é muito difícil acompanhar as aulas”,  comenta Álvaro da Silva, do 9º ano.

Gabriel Tavares  é um aluno autista e sabe o quanto a interação presencial com o  professor é importante para o desenvolvimento dele, por isso está comemorando o retorno das aulas presenciais no 9º ano, já pensando em planos a longo prazo. “ sendo bem melhor, estava com saudade da minha escola, esse tempo todo eu ficava em casa sem fazer nada, e aqui na escola tem a minha sala, biblioteca, professores de tudo. Eu quero me preparar para ir pra faculdade” ressalta o aluno.

Confira outras fotos:

  • Escola Doralice
  • Escola Anastácio

Texto: Leydiane Silva
Fotos: Paulo Sérgio



Fonte: Prefeitura Municipal de Marabá.

Leia mais notícias no Portal Defesa – Agência de Notícias.