Jardim aquícola é tema do Conexão Ciência

Da observação da natureza, nasceu uma solução tecnológica que tem possibilitado o aumento de renda para o produtor, além de estar contribuindo também para diminuir os impactos no meio ambiente. É o jardim aquícola, uma miniestação ecológica para tratamento de efluentes de viveiros escavados, que ainda possibilita a produção de flores. Foi o que explicou o pesquisador Wilson Tadeu Lopes, da Embrapa Instrumentação (São Carlos/SP), em entrevista ao programa Conexão Ciência. “Na ciência é possível partir de ciência básica, mas também, observando o trabalho da natureza. O jardim aquícola é um exemplo. Nos baseamos nas áreas alagadas que ocorrem na natureza durante milhões de anos para construir um sistema, o que chamamos de áreas alagadas construídas. Partindo desse conceito desenvolvemos um sistema que realiza o tratamento e o reúso da água em sistemas produtivos aquícolas”, explicou o pesquisador, detalhando que o sistema funciona como um pequeno lago. “Impermeabilizamos embaixo com uma geomembrana, enchemos de argila expandida e colocamos plantas que são adaptadas a meios aquáticos. Essas plantas, mais os microrganismos, mais esse meio filtrante produzido pela argila expandida, filtram e tratam naturalmente a água. Ou seja, estamos transformando aquela informação que a natureza nos provém em solução tecnológica.” Segundo Lopes, a tecnologia é de fácil manutenção e apresenta baixos custos de construção e de operação. Além disso ela reduz a matéria orgânica da água sem adicionar produtos químicos. Sem contar que a água tratada pode ser utilizada em outras atividades. “O jardim aquícola é um exemplo de boas práticas na piscicultura, como é preconizado pela ONU, nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os ODS, já que uma das vantagens dele é o uso racional da água”, ressaltou. Passada a fase de experimento, a Embrapa procura agora parceiros para que a tecnologia seja comercializada e possa ser adotada por um grande número de produtores em todo o Brasil. “A ideia é transformar, de fato, essa tecnologia em um produto. O que queremos é desenvolver um sistema produtivo com respeito ambiental. O jardim aquícola é um excelente exemplo de que é possível conciliar desenvolvimento econômico com desenvolvimento social e ambiental”, concluiu. Interessados em firmar parceria entrar em contato pelos e-mails [email protected] ou [email protected] Confira aqui a entrevista na íntegra. Acesse o canal da Embrapa no Youtube e assista outras entrevistas.

Da observação da natureza, nasceu uma solução tecnológica que tem possibilitado o aumento de renda para o produtor, além de estar contribuindo também para diminuir os impactos no meio ambiente. É o jardim aquícola, uma miniestação ecológica para tratamento de efluentes de viveiros escavados, que ainda possibilita a produção de flores. Foi o que explicou o pesquisador Wilson Tadeu Lopes, da Embrapa Instrumentação (São Carlos/SP),  em entrevista ao programa Conexão Ciência.

“Na ciência é possível partir de ciência básica, mas também, observando o trabalho da natureza. O jardim aquícola é um exemplo. Nos baseamos nas áreas alagadas que ocorrem na natureza durante milhões de anos para construir um sistema, o que chamamos de áreas alagadas construídas. Partindo desse conceito desenvolvemos um sistema que realiza o tratamento e o reúso da água em sistemas produtivos aquícolas”, explicou o pesquisador, detalhando que o sistema funciona como um pequeno lago.

“Impermeabilizamos embaixo com uma geomembrana, enchemos de argila expandida e colocamos plantas que são adaptadas a meios aquáticos. Essas plantas, mais os microrganismos, mais esse meio filtrante produzido pela argila expandida, filtram e tratam naturalmente a água. Ou seja, estamos transformando aquela informação que a natureza nos provém em solução tecnológica.”

Segundo Lopes, a tecnologia é de fácil manutenção e apresenta baixos custos de construção e de operação. Além disso ela reduz a matéria orgânica da água sem adicionar produtos químicos. Sem contar que a água tratada pode ser utilizada em outras atividades. “O jardim aquícola é um exemplo de boas práticas na piscicultura, como é preconizado pela ONU, nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os ODS, já que uma das vantagens dele é o uso racional da água”, ressaltou.

Passada a fase de experimento, a Embrapa procura agora parceiros para que a tecnologia seja comercializada e possa ser adotada por um grande número de produtores em todo o Brasil. “A ideia é transformar, de fato, essa tecnologia em um produto. O que queremos é desenvolver um sistema produtivo com respeito ambiental. O jardim aquícola é um excelente exemplo de que é possível conciliar desenvolvimento econômico com desenvolvimento social e ambiental”, concluiu.

Interessados em firmar parceria entrar em contato pelos e-mails [email protected] ou [email protected].

Confira aqui a entrevista na íntegra.

Acesse o canal da Embrapa no Youtube e assista outras entrevistas.



Fonte: Embrapa

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário