Estação Cultura passa por últimos ajustes antes da entrega da restauração

O secretrio de Cultura e Turismo de Americana, Fernando Giuliani, esteve na manh desta quinta-feira (25), acompanhando os ajustes finais das obras de restaurao da Estao Cultura, antiga estao ferroviria da cidade, inaugurada em 1875 pelo imperador Pedro II e que hoje abriga um centro cultural.

A Estao Cultura vem passando por uma reforma desde dezembro de 2019. Avaliadas em R$ 800 mil, as intervenes so administradas pela Secretaria de Cultura e Turismo e custeadas pela empresa Rumo Logstica. A entrega da Estao Cultura restaurada acontece na prxima tera-feira, dia 30 de novembro, s 9h30.

A visita foi acompanhada pelo senhor Benedito Manoel Nunes Filho, o ltimo chefe de estao que trabalhou no local antes que fosse encerrado o transporte de passageiros. Bastante animado, seu Nunes, como mais conhecido, elogiou a iniciativa de restaurar o prdio. “A estao um marco para a cidade, que cresceu em torno da ferrovia. Por isso, deve ser bem cuidada. Americana tinha uma das principais estaes do eixo Jundia/So Jos do Rio Preto. Aqui na regio, s perdia para a estao de Campinas”, disse.

Seu Nunes trabalhou 28 anos em estaes ferrovirias, 13 deles em Americana, onde exerceu a funo a partir de 1986. Nesse perodo de quase trs dcadas, passou por Nova Odessa, Piracicaba, Americana, Rio Claro e Campinas. Segundo ele, a paixo por ferrovias vem desde a infncia, quando frequentava a Estao de Baguau, em Pirassununga.

Ele lembra com saudades dos tempos em que a estao ferroviria de Americana vivia cheia de gente. “O movimento era muito bom; por aqui passavam cerca de 40 mil passageiros por ms, que viajavam para So Paulo e para cidades do interior.”

Nos tempos ureos, a estao ferroviria local possua 16 funcionrios, segundo seu Nunes. “A degradao do setor comeou em 1995. Com os planos de privatizao, o nmero de colaboradores foi sendo enxugado e no havia mais condies de oferecer a mesma qualidade dos servios. Depois foi diminuindo a quantidade de horrios disponveis para as viagens. E tudo isso foi afastando os passageiros. At que em janeiro de 2001, as viagens de passageiros passaram a ocorrer somente s quartas-feiras e, em maro do mesmo ano aconteceu a ltima viagem”, relembrou.

Seu Nunes lembra um fato curioso. Todo sbado, s nove horas da manh, Campinas disparava um alarme e os relgios de todas as estaes desse ramal eram ajustados. “Tinha cidado que vinha conferir o relgio da estao para ajustar o seu.”

Para o futuro, seu Nunes no acredita no retorno das viagens de passageiros. “Acredito que no volta mais. Mas acho que h espao para a implantao de trens tursticos. A histria no pode morrer, temos que conservar esse que foi o primeiro meio de transporte. No podemos depredar”, conclui.



Fonte: Prefeitura Municipal de Americana.

Leia mais notícias no Portal Defesa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário