Como economizar energia elétrica no verão?

Com o verão a pleno vapor, temperaturas elevadas e muita gente ainda trabalhando em home office por causa da pandemia, fica difícil abrir mão do conforto do ar-condicionado, da água gelada ou mesmo do bom e velho ventilador. Se esse conforto, porém, não for controlado pesará na conta de energia elétrica e doerá muito no bolso do consumidor.

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que no verão a conta de luz chega a ficar até 8,6% mais cara. Junte-se a isso o fato de que mais pessoas estão trabalhando de casa, pode-se estimar maior utilização de eletrodomésticos e o consequente aumento dos gatos com energia elétrica. Usar a energia elétrica de forma consciente também é cuidar do meio ambiente.

Eficiência energética

Para ajudar consumo racional de energia no País, o Inmetro criou o Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), que classifica os aparelhos de acordo com sua eficiência energética, auxiliando o consumidor a fazer uma compra mais consciente. Produtos classificados com a letra A são os mais eficientes. Dependendo do eletrodoméstico, essa classificação pode chegar a G para os menos eficientes, como é o caso de refrigeradores.

O PBE permite que a sociedade como um todo conheça com adequado grau de confiança o consumo de energia dos produtos”, ressalta Danielle Assafin, coordenadora dos PBE de ar-condicionado e de refrigeradores.

Considerar informações das etiquetas do Inmetro nos eletrodomésticos é muito importante, mas mudanças sutis de hábito também podem evitar desperdícios e melhorar os gastos com energia elétrica.

Confira as dicas.

Ar-condicionado

  • Antes de comprar calcule o efeito na economia de luz

  • Multiplique a energia consumida pelo aparelho em kWh (kilowatts hora) pela tarifa de energia praticada em cada região do País. A média nacional da tarifa residencial atual está em R$ 0,57. Assim, se o ar-condicionado consome, por exemplo, 600 Kwh por ano, o gasto anual será 600×0,57, que resultará em R$ 342 por ano.

  • Na dúvida entre dois modelos compare o consumo de ambos e dê preferência ao que consome menos energia. Eventualmente, se esse produto for um pouco mais caro, pode ser que a diferença de preço se pague ao longo dos meses pela economia na conta de luz.

  • Evite o abre e fecha de portas dos ambientes refrigerados

  • Feche as janelas e isole bem o ambiente para que o ar frio não escape.

  • Cortina e toldos diminuem a incidência do calor do sol no ambiente, o que também contribui para o isolamento térmico do ambiente.

  • E não acredite no mito de que ao configurar o aparelho de ar-condicionado para 17ºC ele vai gelar o ambiente mais rapidamente. A velocidade de refrigeração será a mesma, com a diferença que o compressor do seu aparelho trabalhará mais até atingir a temperatura de 17ºC. O Inmetro recomenda manter a temperatura em 23ºC que, em geral, é de melhor trabalho do ar-condicionado.

Refrigerador

  • Fique atento ao distanciamento da geladeira das paredes. É preciso que haja espaço suficiente para que ocorra a troca de calor – isso também vale para refrigerador cujo condensador é embutido nas laterais.

  • Evitar a entrada de ar quente também é uma boa dica porque toda vez que isso ocorre a geladeira tem que trabalhar mais para manter as temperaturas adequadas para conservar os alimentos.

  • Evite abrir e fechar a porta o tempo todo, pois isso evita a entrada de ar quente do ambiente para o interior do refrigerador.

  • Organize os itens da geladeira para já saber onde eles se encontram e não precisar fazer escolhas com a porta aberta.

  • Nunca coloque alimento quente na geladeira. Espere a comida esfriar fora até chegar à temperatura ambiente.´

  • Verifique as borrachas (gaxetas) das portas do refrigerador periodicamente. Sujeira e ressecamento comprometem o isolamento que ela deve proporcionar.

  • Não coloque roupas para secar no condensador (aquela serpentina preta que em geral fica atrás do refrigerador), pois isso impacta diretamente no maior consumo de energia.

Ventilador

  • Tradicional item nos lares brasileiros, os ventiladores podem ser um bom aliado para aplacar o calor gastando menos que ao usar o ar-condicionado.

  • No chão, no teto ou na parede são sempre uma opção mais em conta para refrescar os ambientes.

  • Observe a quantidade de vento que o ventilador é capaz de produzir. Na Etiqueta do Inmetro, você é informado quanto à vazão do ventilador. Assim, se dois modelos consomem a mesma quantidade de energia, opte por aquele de maior vazão, porque certamente será capaz de ventilar mais que o outro.

  • O índice de eficiência energética constante na Etiqueta traz essa relação entre vazão (“quantidade de vento”) e energia consumida: assim, opte pelos produtos de maior eficiência!

  • Seja qual for o modelo do ventilador é importante fazer a limpeza e manutenção para facilitar a circulação do ar.

  • Os parafusos devem estar sempre firmes, as hélices balanceadas e, no caso do modelo de teto, verifique se a lâmpada é a indicada pelo fabricante

Calculadora Idec

Com base nas informações de eficiência energética do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) do Inmetro, o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) desenvolveu uma ferramenta que ajuda a escolher o eletrodoméstico considerando o consumo de energia. Trata-se de uma calculadora que converte o consumo de energia dos modelos de refrigeradores, ventiladores, ar-condicionado, TV e máquina de lavar em dinheiro.

Primeiro, o consumidor deve selecionar o tipo de aparelho do seu interesse. Depois, precisa informar qual a distribuidora de energia, pois cada região do Brasil pratica uma tarifa diferente. Para converter energia em Reais, é preciso saber qual tarifa energética aplicar. Também é possível inserir o tempo de uso do aparelho, pois sabemos que quanto mais se usa os eletrodomésticos, mais consumirão energia. Após esses passos, aparecerão os modelos disponíveis no mercado, com as informações em Reais sobre o consumo de energia.

Também é possível aplicar filtros para selecionar os produtos conforme sua capacidade ou volume, e também selecionar até dois produtos para fazer uma comparação lado a lado. Muitas vezes a diferença do preço de compra é compensada pela economia de energia ao longo dos meses. Vale a pena fazer a conta!



Fonte: INMETRO