Com apoio do MCTI, INMETRO produz primeiro lote de material de referência de nanopartículas de ouro

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) produziu e disponibilizou em janeiro o primeiro lote de Material de Referência (MR) de nanopartículas de ouro suspensas em água. Essa ação foi realizada com apoio do MCTI e do CNPq/MCTI, dentro do projeto “Estabelecimento de procedimentos para certificação de produtos baseados em nanotecnologia”, coordenado pelo pesquisador José Mauro Granjeiro, do INMETRO.

Os Materiais de Referência são destinados à avaliação da precisão de medição, sendo suficientemente homogêneos e estáveis com respeito a uma ou mais propriedades especificadas. Com tamanho aproximado de 15 nanômetros, equivalente a 15 bilionésimos do metro, esse é o primeiro MR de nanopartículas desta dimensão produzido no Brasil, o que contribui para baratear os custos de controle de qualidade de produtos nacionais de nanotecnologia.

As nanopartículas de ouro possuem formato e distribuição de tamanho bem definidos e propriedades ópticas, biológicas e catalíticas únicas. O material de referência dessas nanopartículas pode ser utilizado para verificação do desempenho de microscópios eletrônicos de transmissão (MET) e instrumentos de espalhamento de luz dinâmico (DLS), aumentando a confiança nas medições por esses equipamentos.

Segundo o coordenador do projeto, a produção do segundo lote de MRs de nanopartículas de ouro já está em fase de finalização. Os laboratórios poderão também ter material de referência para outras técnicas de análise dimensional de nanopartículas, tais como, microscopia de força atômica (AFM) e microscopia eletrônica de varredura (MEV), ampliando a variedade de métodos de análise com a confiabilidade metrológica no controle de qualidade de produtos de nanotecnologia.

As nanopartículas fazem parte do grupo de materiais de alta funcionalidade que vêm despertando o interesse e a atenção da ciência e da indústria, sobretudo a de cosméticos, farmacêutica e a de alimentação. À medida que novas nanotecnologias vão sendo desenvolvidas, elas encontram uma gama cada vez mais ampla de aplicação nas indústrias. Ao mesmo tempo, existe uma demanda desses setores por materiais que certifiquem algumas das propriedades físico-químicas dessas nanopartículas.

Com informações do INMETRO



Fonte: MCTI