A Ivo: Homenagem da Presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, a Antônio Ivo de Carvalho

Médico sanitarista, militante da reforma sanitária, pensador, construtor do SUS. Professor, pesquisador, diretor da Ensp, gestor na Fiocruz. Pai, avô, companheiro, amigo. 

Antônio Ivo de Carvalho foi tudo isso e muito mais. Ele nos deixou em 10 de junho, um dia após completar 71 anos. Foram quase 50 anos de trajetória profissional dedicados à saúde pública e ao SUS, que ajudou a conceber e a construir. Como jovem médico sanitarista, em meados dos anos 1970  mudou-se para Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, para lutar pelo acesso aos serviços de saúde junto a movimentos sociais urbanos que, na sua compreensão, tiveram papel fundamental na reforma sanitária. Foi sujeito desse processo, por meio da prática nos serviços, da ação política, e de suas ideias sobre as transformações necessárias no sistema de saúde, em interação com os diversos grupos e atores que conformaram o movimento sanitário. Pude dar uma pequena contribuição para os estudos desse período inspirador para o movimento sanitário e a luta democrática em nosso país ao escrever, em colaboração com Fernand Pires Alves e Carlos Henrique Paiva, um artigo sobre a experiência que quatro médicos sanitaristas- Antonio Ivo de Carvalho, Anna Leonor de Carvalho, José Noronha e Lucia Souto – construíram em Nova Iguaçu.

Toda a sua trajetória nas décadas seguintes seria marcada pela defesa da democracia, da participação social e do direito à saúde, questões destacadas nas suas reflexões e produção acadêmica. Além disso, o compromisso com o fortalecimento do campo da Saúde Coletiva e do SUS permearam sua atuação na SES-RJ, no CEBES e na Abrasco.  Na Ensp/Fiocruz, durante três décadas foi professor, pesquisador e finalmente diretor, de 2004 a 2013, período em que também contribuiu para os rumos da Fundação Oswaldo Cruz, por meio de sua participação no Conselho Deliberativo e nos Congressos Internos. Muitas vezes, ao pensamos na obra de um profissional ou de u intelectual, relacionamos a produção acadêmica na forma de livros e artigos e não destacamos o árduo trabalho de construção institucional.  E Antonio Ivo foi, sobretudo um ousado construtor institucional. Muitas de suas realizações na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, a exemplo da Escola de Governo e da Educação a Distância, foram fundamentais para a Ensp contemporânea, além de inspirarem novos modelos e políticas para o conjunto da Fiocruz.

Nos últimos anos, esteve à frente da criação e coordenação do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz, um espaço dedicado ao pensamento sobre o presente e  futuro da instituição e a reflexões e pesquisas sobre temas de destaque  para a Saúde Coletiva e o SUS em sua interface com os desafios relativos ao desenvolvimento nacional e à efetivação dos direitos sociais. 

Ivo partiu quando o coração não conseguiu mais acompanhar sua energia e dinamismo. Fará muita falta neste mundo, que precisa de lideranças comprometidas com a redução das desigualdades e a luta pela justiça social.  Era um leitor voraz e um crítico arguto e por diversas vezes me beneficiei de conversas instigantes, além de ter sido presenteada com livros, sempre escolhidos como incentivo a novos diálogos Sua presença, olhos brilhantes e sorriso amplo deixarão saudades em todos que o conheceram. Que sua trajetória e ideias permaneçam vivas em nossa memória e inspirem os caminhos da Fiocruz.

Nísia Trindade Lima
Presidente da Fiocruz   
 

Fonte: Fundação Oswaldo Cruz