Força Aérea Indiana irá comprar 324 caças Tejas, desde que a versão Mark II atenda aos requisitos

Por Rajat Pandit

NEW DELHI — Depois de anos de ser crítico com o caça Tejas, que ainda não está preparado para o combate 35 anos depois que o projeto Light Combat Aircraft foi aprovado pela primeira vez pelo governo, a IAF concordou em incoporar 324 dos jatos indianos a longo prazo para compensar o número de esquadrões de combate que está em rápido esgotamento.

A IAF “comprometeu-se firmemente” com os 123 jatos Tejas, que virão a um custo superior a Rs 75,000 crore (US$ 11,5 bilhões), se os custos de desenvolvimento e de produção forem levados em consideração. Mas quer que os próximos 201 jatos Tejas Mark II sejam “caças totalmente novos” com aviônica e radares muito melhores, maior capacidade de carga de combustível e armas e motores mais poderosos, dizem as principais fontes.

O Tejas monomotor existente tem uma “endurance” limitada de apenas uma hora de voo, com um raio de ação de apenas 350-400 km e capacidade de carga de armas de 3 toneladas. Outros caças de um único motor como o sueco Gripen E e o americano F-16 têm aproximadamente o dobro da capacidade de carga de armas e triplicam a endurance.

Mas a IAF, tem apenas 31 esquadrões de combate (18 jatos em cada um), quando pelo menos 42 são necessários para enfrentar a “ameaça colusiva” da China e do Paquistão, percebe que introduzir caças estrangeiros caros “em grandes números” simplesmente não é uma opção.

Os 36 jatos Rafale, encomendados da França em setembro de 2016, por exemplo, custaram à India Rs 59,000 crore (7,87 bilhões de euros). O custo total, é claro, inclui um pacote de armas decididamente mortal, todas as peças e custos para disponibilidade de frota de 75% e “suporte logístico baseado em desempenho” por cinco anos.

“O Tejas Mark II ainda está na mesa de desenho. Mas se DRDO, Aeronautical Development Agency e Hindustan Aeronautics Ltd entregarem o caça Mark II exigido, a IAF concordou em ter um total de 18 esquadrões de Tejas “, disse uma fonte.

O movimento ocorre depois de uma série de reuniões de alto nível no South Block, com a ministra da Defesa, Nirmala Sitharaman, anunciando no início deste mês que o governo não está “abandonando” os Tejas autóctones e “colocando todas as suas energias” para garantir que o caça seja entregue a um ritmo muito mais rápido.

Apenas seis dos 20 Tejas encomendados pela IAF em sua configuração IOC (Initial Operational Clearance), o que, basicamente, significa que o caça é aeronavegável, foi entregue pela HAL até agora sob o primeiro contrato de Rs 2,813 crore contratado em março de 2006.

Outros 20 Tejas em sua FOC (Final Operational Clearance) ou configuração pronta para o combate seriam entregues até dezembro de 2016, conforme o segundo contrato de Rs 5.989 crore assinado em dezembro de 2010. Mas os Tejas receberão sua FOC apenas em junho, o mais cedo possível, com a IAF agora esperando começar a incorporar esses 20 jatos a partir de 2019.

O contrato para 83 caçasTejas Mark 1A, que custará cerca de Rs 50,000 crores, está em processo de finalização agora. Esses jatos terão 43 “melhorias” para aperfeiçoar a capacidade de manutenção, o radar AESA (sistema de varredura eletronicamente ativa) para substituir o radar de busca mecanizado, capacidade de reabastecimento em voo, mísseis BVR de longo alcance (além do alcance visual) e sistema de guerra eletrônica avançada para bloqueio de radares inimigos e mísseis. A entrega desses 83 jatos está programada para começar em 2023.

FONTE: Times of India