Reuters: Boeing busca amplo acordo com a Embraer, mas nenhuma proposta firme foi feita

Por Tim Hepher 

PARIS (Reuters) – A Boeing Co (BA.N) está buscando uma ampla parceria com a Embraer (EMBR3.SA) que ultrapassa os aviões comerciais abrangendo também serviços de defesa e globais, mas seu formato depende de negociações com o governo brasileiro.

O grupo aeroespacial dos EUA ainda não fez uma oferta formal e sua estrutura final seria conduzida por reuniões que se espera retomem nas próximas semanas —, mas as fontes dizem que o objetivo é ir além das joint ventures tradicionais ou de uma injeção de capitais.

“Uma combinação mais ampla seria preferida, mas a Boeing é sensível às preocupações que o governo pode ter sobre questões como a defesa. Se elas puderem ser resolvidas… este acordo pode ser feito”, disse uma pessoa com conhecimento direto das discussões.

Os obstáculos políticos a um acordo diminuíram desde que um escândalo de espionagem dos EUA ajudou a prejudicar uma venda de caças da Boeing para o Brasil em 2013.

O presidente do Brasil, Michel Temer, que assumiu o cargo no ano passado, encaminhou uma agenda favorável ao mercado para privatizar os serviços públicos e reduzir o papel do governo nas empresas estatais.

Mas Temer tem lutado com avaliações de seu governo de um dígito e as autoridades alertaram que vetariam qualquer compra total da Embraer.

“As empresas agora estão trabalhando com as questões regulatórias com o governo do Brasil. O portfólio de defesa seria manuseado de acordo com o governo do Brasil e as golden shares e as discussões estão em andamento”, disse a pessoa.

Um acordo completaria o portfólio comercial da Boeing na parte de jatos menores, onde as vendas têm sido lentas e ecoaria um empreendimento entre a Airbus e a Bombardier do Canadá no jato CSeries.

Os analistas dizem que o acordo de outubro sobre a Airbus controlar o novo projeto canadense deixou a Embraer parecendo exposta com seu E-Jet menor, e consciente de que a China pode estar à procura novamente depois de ver seus próprios esforços para comprar o CSeries frustrados.

Embora a maioria das fontes diga que o negócio tocou alarmes na Embraer, as pessoas envolvidas nas negociações da Boeing insistem que são independentes.

“É um relacionamento de longa data que evoluiu ao longo do tempo. Essas discussões estão acontecendo há mais de um ano e se concentraram nos últimos meses, mas muito antes do anúncio da Airbus e da Bombardier. Não é uma jogada reativa”, disse a pessoa com conhecimento direto.

‘APOSTA DE CRESCIMENTO’

A Boeing e a Embraer há muito ponderaram as ligações comerciais e as fontes dizem que estavam perto de um acordo na última década para a empresa brasileira trabalhar no próximo jato Boeing de um único corredor.

Em 2012, concordaram em trabalhar em segurança e combustível alternativo.

A parceria expandiu-se para incluir vendas conjuntas da Boeing e suporte para o transporte militar KC-390 da Embraer.

Mas a Boeing agora corteja a empresa privatizada com uma ampla oferta, incluindo acesso a uma cadeia de suprimentos global e novos mercados para o KC-390 e o avião de ataque leve Super Tucano do Brasil.

Os analistas dizem que a Embraer valorizaria o acesso ao mercado de defesa dos EUA, enquanto a Boeing espera estabilizar um portfólio de defesa enfraquecido pelas lentas vendas de caças e o fim da produção do transporte C-17, embora existam muitos obstáculos para a cooperação militar completa.

“Dará à Embraer acesso ao balanço da Boeing, maior acesso à defesa dos EUA e mercados internacionais e ao alinhamento de uma cadeia e serviços de fornecimento global”, afirmou a pessoa.

“É uma aposta de crescimento que resultaria em mais aviões sendo construídos no Brasil devido a mais volume de vendas de um portfólio combinado mais forte e com benefícios mais amplos para o cliente”.

Os observadores dizem que as duas administrações são culturalmente próximas e seguem os mesmos passos sobre questões como o comércio, onde estão travando batalhas paralelas contra os supostos subsídios do Bombardier.

Também não se espera que um empate prejudique a Boeing financeiramente.

Mas com orgulho em jogo e o Brasil ainda mancando por uma recessão severa, espera-se que qualquer acordo dependa de garantias sólidas sobre autonomia e emprego.

“Não seria Boeing mais Embraer com um pequeno ‘e’. A Embraer manteria sua marca de identidade, gerenciamento e postos de trabalho”, disse a pessoa.

A Boeing disse na sexta-feira que respeitou a necessidade de salvaguardar a área de defesa da empresa e outros vínculos estatais.

FONTEReuters