F-35: USAF quer eliminar incertezas antes de aumentar a produção

O subsecretário da Força Aérea dos EUA disse na semana passada que a decisão do serviço de obter o F-35 Joint Strike Fighter em uma cadência de produção reduzida é tanto sobre a incerteza atual em torno da linha de tempo de teste operacional do programa e estratégia de modernização futura, como também de custos.

O pedido de orçamento do ano fiscal de 2019 (FY-19) da USAF mantém essencialmente a mesma cadência de compra estabelecida em sua perspectiva de FY-18 – 48 jatos no FY-19 e FY-20 e 54 jatos nos FY-21, FY-22 e FY-23 – apesar do pedido do serviço no ano passado para o Congresso de adicionar 14 jatos à sua compra na sua lista de requisitos não financiados. Esses jatos adicionais trariam a Força Aérea à meta de cadência de aquisição  a curto prazo de 60 jatos, que as autoridades do ano passado disseram ser a principal prioridade de aquisição do serviço e teriam ajudado a abordar questões de capacidade bem conhecidas.

Desde o lançamento do pedido de orçamento do FY-19, funcionários do serviço disseram que a decisão de prosseguir com uma “cadência gerenciável” está ligada a preocupações com o custo unitário do jato, o dinheiro que pode levar para atualizar qualquer jato que se compre antes de atualizações de hardware importantes serem entregues no Block 4, e a trilha de logística e infraestrutura associada que vem com jatos adicionais que se decida comprar.

O subsecretário da Força Aérea, Matthew Donovan, disse ao Inside the Air Force em uma entrevista em 5 de março que as preocupações com os custos associados a uma cadência de aquisição mais alta não são novas e estavam no radar do serviço, mesmo quando solicitou jatos adicionais em sua UFR FY-18. O que mudou desde o ano passado, disse ele, é o nível de incerteza em torno do plano para a modernização subseqüente, ou o que o escritório do programa conjunto F-35 agora está chamando de Continuous Capability Development and Delivery (C2D2).

F-35A em teste de disparo de míssil AIM-120 AMRAAM

“O custo do retrofit sempre foi um problema, mas com a continuação da modernização que ainda está sendo finalizada no que diz respeito à estratégia de aquisição, somos muito cautelosos porque ainda não sabemos o que vai ser envolvido”, disse Donovan. “Estamos muito preocupados com o custo da adaptação. Quanto mais compramos agora em um nível que é inferior ao nível que acabamos querendo ter com o Block 4, mais isso nos custará”.

O Diretor Executivo do Programa F-35, vice-almirante Mat Winter, anunciou a nova estratégia de modernização do Block 4 – que aplicará uma abordagem de desenvolvimento de software mais ágil – em setembro passado, e antecipou que o Departamento de Defesa aprovaria o plano até o final de outubro de 2017. No entanto, os funcionários do DOD solicitaram uma estimativa de custos e um cronograma mais detalhados, o que atrasou esse processo. Winter disse que esta semana que ele agora espera que o departamento assine a estratégia em uma reunião da Diretoria de Aquisição de Defesa em junho.

Winter contou aos legisladores em um subcomitê tático de forças aéreas e terrestres de 7 de março, com sede na Câmara, que estima que o C2D2 inicial é estimado em US $ 16 bilhões até o FY-24. Com esse custo, US$ 10,8 bilhões são para desenvolvimento e cerca de US$ 5 bilhões são para aquisições. Os parceiros internacionais pagarão uma parcela do custo de desenvolvimento, cerca de US$ 3,7 bilhões, deixando cerca de US$ 7,2 bilhões para os serviços americanos. Winter disse que espera que a estimativa diminua à medida que o programa preencher os detalhes de seu plano.

Donovan disse que o serviço está trabalhando com o escritório do programa conjunto para determinar quantos jatos mais antigos serão adaptados. Idealmente, o serviço manteria uma configuração comum entre os jatos operacionais e de treinamento, de modo que os pilotos aprendessem a voar na mesma aeronave que eles eventualmente estarão operando no campo.

“Se não fizermos isso, o que faremos é transferir a carga de treinamento para as unidades de combate”, disse ele. “É preciso tempo para conseguir um piloto habilitado no novo tipo de avião que ele não viu antes … então, essa é a verdadeira preocupação. Mas temos que equilibrar isso com os recursos disponíveis também”.

Além das preocupações de adaptação, há também alguma incerteza em relação ao momento do teste operacional inicial e avaliação IOT&E e a possibilidade de que novas descobertas possam esticar o teste após a data final estimada do JPO em maio de 2019.

“Há problemas desconhecidos porque sempre encontramos algo no IOT&E”, disse ele.

Donovan disse que, à medida que o programa se desloca pela IOT&E, a Força Aérea considerará aumentar a cadência de compra, mas, por enquanto, o serviço está aguardando a incerteza passar.

“Eu acho que você verá que nós estaremos interessados ​​em aumentar nossa cadência de compra anual, mas queremos comprar com baixo risco e incerteza”, disse ele.

FONTE: Inside Defense