HMS Queen Elizabeth inicia segunda fase de testes com caças F-35B

O porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth recebeu novamente a bordo os jatos F-35B Lightning II para uma segunda parte de testes de voo. O objetivo é testar a aeronave em condições de vento mais desafiadoras e praticar a equipe embarcada no navio para o manuseio e carregamento da aeronave com armas.

A primeira de três dessas fases a ser realizada no navio foi concluída no início do ano com o teste de desenvolvimento (DT-1) que teve como objetivo gerar dados de teste de voo suficientes para certificar o F-35B Lightning II como pronto para testes operacionais futuros a bordo do navio, de acordo com o Comando de Sistemas Aéreos da Marinha dos EUA (NAVAIR).

Os dois F-35Bs pousaram verticalmente a bordo do HMS Queen Elizabeth pela primeira vez em 25 de setembro, pilotados pelo Comandante da Marinha Real Nathan Gray e pelo Líder do Esquadrão da RAF (Royal Air Force) Andy Edgell, ambos pilotos de testes juntos da Força Integrada de Testes (ITF) de Pax River.

Em 8 de outubro, a Força de Teste Integrada (ITF) coletou dados suficientes para dar suporte ao teste operacional.

“Foi um esforço soberbo de todos os participantes da ITF e do HMS Queen Elizabeth até agora nos testes embarcados dos F-35B do Reino Unido”, disse o comandante da Marinha Real Jerry Kyd, o comandante da embarcação na época.

“Eu não poderia estar mais satisfeito com o espírito de equipe e dinamismo de todos que entregaram um volume de dados de qualidade que nos colocou bem à frente de onde esperávamos estar neste estágio. Sou muito grato a todas as pessoas da ITF que estiveram focadas, profissionais e dispostas a ir além – e mais está por vir!”

A equipe de teste – composta por cerca de 175 membros da ITF a bordo do navio – completou vários parâmetros necessários durante o DT-1, incluindo decolagens diurnas e noturnas e aterrissagens verticais com movimento mínimo do convés, em condições variáveis de vento e com e sem cargas externas.

“Estou muito orgulhoso das realizações do teste pela equipe combinada de 1.500 funcionários formados pela ITF, do grupo do porta-aviões e a tripulação do HMS Queen Elizabeth com seus esquadrões embarcados 820 e 845”, disse Andrew Maack, o Engenheiro Chefe de Testes do F-35 da ITF em Pax River.

“Foi impressionante ver o excelente trabalho em equipe em todos os níveis das organizações.”

Além dos requisitos de teste do DT-1 concluídos – que foram realizados dentro do mesmo envelope de voo que será usado na primeira fase de teste operacional – o ITF também realizou cerca de metade dos testes que se enquadram no limite do DT-2 ou o envelope de voo necessário para atingir a capacidade operacional inicial (marítima).

A ITF retornou ao navio no final de outubro para a DT-2, que se concentrará em testes de cargas externas, decolagens curtas de desempenho mínimo e operações noturnas.

Um terceiro teste de desenvolvimento, seguido de testes operacionais, está programado para 2019. Juntos, os testes ajudarão o Ministério da Defesa a alcançar a capacidade operacional inicial do F-35B para 2020.

FONTE: Cavok