Rolls-Royce volta a cooperar com a Armada Argentina

Decorridos quase 36 anos e meio desde a capitulação argentina perante tropas do Reino Unido na Guerra das Malvinas, representantes da divisão de turbinas da Rolls Royce da América do Sul voltaram a reunir-se, em uma instalação da Armada Argentina, com militares desse país, do Chile, do Brasil e da Grécia, para examinar uma pauta de assuntos atinentes à manutenção dos equipamentos de tecnologia britânica.

O encontro se desenvolveu entre os dias 22 e 25 de outubro, em clima de cordialidade profissional, na Torre de Señales da Base Naval de Puerto Belgrano e no Arsenal Aeronaval Comandante Espora, no âmbito da 14ª Reunião do Clube de Operadores de Turbinas Rolls Royce da América do Sul.

A Marinha Argentina foi a anfitriã do evento, que só se tornou possível depois que, no fim do primeiro semestre, o governo de Londres levantou uma proibição de comércio de itens militares com a Administração do presidente Mauricio Macri.

A ata da reunião foi rubricada pelo gerente da Rolls Royce na América do Sul, Walter Espinoza, pelo Jefe de Mantenimiento y Arsenales da Armada Argentina, contra-almirante Eduardo Luis Malchiodi, de 60 anos, pelo diretor de Engenharia de Sistemas Navais da Marinha do Chile, contra-almirante José Luis Fernández Morales, de 51 anos, pelo diretor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, contra-almirante Enio Zanelatto Liberal, e pelo capitão de mar e guerra (Engenheiro Mecânico) da Marinha grega Sotirios Tsamilis.

“Porta” – Reuniões como essa servem à identificação de problemas comuns aos operadores das turbinas, ao intercâmbio de informações entre esses usuários, e a uma socialização de experiências, conhecimentos e propostas.

Estamos en un punto de inflexión porque Rolls Royce volvió a las reuniones en Argentina y esto abre una puerta para retomar la adquisición de partes y repuestos que nos van a facilitar seguir procesando las turbinas, declarou o almirante Malchiodi à revista eletrônica Gaceta Marinera, de sua Marinha.

El Arsenal Comandante Espora es un punto de mantenimiento mayor para turbinas Tyne y Olimpus, prosseguiu o oficial argentino. La Armada Argentina tiene la capacidad de hacer el 100% del proceso ya sea en la propia turbina como en los accesorios.

Nesse momento a Marinha Argentina necessita urgentemente de apoio técnico da Rolls Royce para recuperar o sistema de propulsão do destructor Heroina, um navio classe Meko 360.

O almirante Liberal também falou à imprensa naval argentina:

“[A reunião do clube de Operadores] é muito importante porque vamos acumulando procedimentos, podemos compartilhar experiências e assim evitar problemas que significam muitos gastos de dinheiro e a parada dos navios”.

As reuniões do Clube de Operadores acontecem há 13 anos, e a próxima será realizada na Grécia.

O Poder Naval apurou que, dentro de algumas semanas, o almirante Liberal assumirá a Diretoria Industrial da MB, em substituição ao almirante Mário Botelho, que está sendo indicado para o cargo de Diretor de Engenharia Naval da Força.

FONTE: Poder Naval