Reforma dos T-54/T-55 vietnamitas exclui troca do canhão

Troca por peça americana de 105 mm foi considerada muito cara

Por Roberto Lopes
Especial para o Forças Terrestres

O portal de notícias vietnamita Soha informou, nesta quarta-feira (10.01), que o programa de atualização de tanques T-54/55 do Exército Popular do Vietnã, desenvolvido em uma instalação industrial do Departamento Geral de Engenharia (Z153), foi concluído, e já pode ter entrado na fase de implantação em larga escala.

De acordo com o site americano globalsecurity.org, a Força Terrestre do Vietnã dispõe de 850 MBTs T-54/T-55, fabricados entre as décadas de 1970 e 1980, que ainda conformam a espinha dorsal da corporação.

O texto do portal afirma que a recente encomenda feita pelo governo de Hanói à indústria russa, do tanque principal de batalha T-90S, contemplou apenas uma quantidade muito pequena da nova viatura – insuficiente para permitir a aposentadoria dos velhos modelos T, ícones da Guerra Fria.

Há cerca de 20 anos os militares vietnamitas experimentaram modernizar alguns exemplares do T-54, elevando-os a um patamar denominado T-54M3.

O pacote de revitalização incluía mira telescópica moderna, sensores meteorológicos e canal de visão por infravermelho, além de blindagem tipo composite e placas de proteção reativa em torno da torre do carro – e, claro, um novo canhão, mais moderno que a arma de 100 mm do projeto original do T-54/T-55.

Custo – Com a ajuda de especialistas israelenses, os blindados tiveram sua peça D-10T2S, de 100 mm (projetada para os velhos tanques), substituída por uma outra de fabricação americana, tipo M-68, de 105 mm.

O poder da arma de 100 mm ficava aquém daquilo que a tropa blindada demandava, e o M-68 construíra boa reputação como equipamento-padrão das primeiras versões do M-1 Abrams americano e do Merkava israelense.

Mas não deu certo.

O custo de aquisição e instalação do M-68 inviabilizava, do ponto de vista econômico, toda a remodelação dos tanques de origem russa.

Assim, o programa T-54M3 “evoluiu” para uma nova configuração, que mantinha o D-10T2S de 100 mm, mas adicionava componentes que evitavam a deformação da blindagem e prejuízos aos equipamentos eletrônicos produzidos pela onda de calor após o disparo do canhão.

A manutenção dos modelos T-54/T-55 tem se revelado um problema em vários partes do mundo.

Em 2015 a indústria privada peruana chegou a apresentar uma proposta ao Exército de seu país, que há anos busca um caminho para a modernização de mais de 200 desses blindados. Um protótipo do novo carro chegou a ser montado para ser submetido a testes (já realizados), mas a implementação da proposta aguarda, até hoje, aprovação.