Marinha Chinesa treina mais pilotos de caça para expandir a frota

PLA Navy intensificou o treinamento perto do Mar de Bohai durante o inverno

A Marinha da China disse no dia 2 de janeiro que intensificou o treinamento de pilotos de caça perto do Mar de Bohai neste inverno, pois se prepara para expandir sua frota de porta-aviões.

A PLA Navy começou a treinar seus próprios pilotos – em vez de recrutá-los da Força Aérea — em sua Universidade Naval Aeronáutica, que abriu o ano passado com um campus principal em Yantai, Shandong. Os cadetes pilotos de combate estão usando o avião de treinamento mais avançado do país nesse campus e outros três – nas províncias de Liaoning, Hebei e Shanxi, informou o diário oficial PLA Daily.

A Marinha não forneceu uma estimativa de quantos pilotos de combate precisaria para seus porta-aviões – planeja ter uma frota de quatro no futuro –, mas especialistas militares disseram que havia alguma urgência para obter cadetes treinados para os navios. A primeira turma da universidade de 450 cadetes foi em maio.

A China até agora tem apenas um porta-aviões, o Liaoning, mas seu navio irmão, o Type 001A – que é projetado e construído na China – deverá entrar em serviço completo ainda este ano. A Marinha precisa de mais pilotos de caça para basear em ambos os porta-aviões, juntamente com a equipe de apoio.

A reportagem não especificou qual avião de treinamento estava sendo usado, mas os especialistas disseram que era provavelmente o treinador a jato avançado supersônico L-15B Falcon desenvolvido pela Hongdu Aviation Industry em Nanchang, província de Jiangxi.

Os sites militares chineses relataram anteriormente que o L-15B seria modificado para treinamento de pilotos de porta-aviões. O avião de ataque leve também é usado pela Força Aérea para treinamento e foi exportado para a Venezuela e Zâmbia.

http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/01/PLAN-L-15B.jpg

Os cadetes pilotos navais estão treinando em jatos L-15B da PLA Navy

Os pilotos cadetes da nova universidade passaram pelo Mar da China Oriental, bem como sobre as áreas interiores, onde realizaram decolagens e pousos, simulações computacionais em plataformas de voo e outros treinos físicos e oficinas, de acordo com o PLA Daily.

A universidade é o resultado de uma fusão entre a academia de aviação da Marinha e sua universidade aeronáutica e astronáutica, e se concentrará em treinamento de pilotos e equipe de apoio para os grupos de batalha do porta-aviões do país.

Pequim tem tentado construir uma Marinha de águas azuis que pode operar globalmente e apoiar sua segurança marítima, incluindo o lançamento do Liaoning em 2012 e o novo Type 001A este ano.

O especialista militar Li-Jie, com sede em Pequim, disse que a Marinha tinha acumulado experiência com seu primeiro porta-aviões, mas agora a prioridade era treinar mais pilotos de caça na Marinha à medida que a frota se expandia.

“Os pilotos de caça baseados em porta-aviões são os melhores em seu campo, porque eles precisam decolar e aterrissar em uma pequena pista no convés, que é menos do que um décimo do tamanho de uma pista de pouso terrestre”, disse Li, acrescentando que era melhor começar do zero com os cadetes do que tentar ensinar aos pilotos seniores essas habilidades.

Quase todos os pilotos de combate de caças J-15 da Marinha no Liaoning foram escolhidos entre os melhores da Força Aérea, todos com pelo menos 600 horas de voo.

“A China não tinha experiência com aviões de combate em porta-aviões até o Liaoning entrar em serviço. Então, quando se tratava de pilotos de treinamento para o J-15, a melhor maneira era começar com pilotos experientes da força aérea”, disse Li.

http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2017/07/Liaoning-J-15.jpg

Caça J-15 prestes da decolar do porta-aviões Liaoning

FONTE: South China Morning Post