Avião derrubado na Síria cumpria missão de reconhecimento, diz ministro russo

A base aérea de Hmeymim havia perdido contato com a tripulação da aeronave militar russa Il-20 na noite de segunda-feira (17) durante o ataque de quatro aviões israelenses F-16 a alvos sírios na província de Latakia.

“Nossa aeronave de reconhecimento Il-20, com uma tripulação de 15 pessoas, estava realizando uma missão de reconhecimento sobre a zona de desescalada de Idlib para determinar os locais de armazenamento e coleta de veículos aéreos não tripulados que voam da zona e atacam diferentes áreas da Síria”, afirmou o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, em uma reunião com altos comandantes militares.

Caças israelenses F-16 atacaram a Síria sob cobertura do Il-20 russo, presumindo que as forças de defesa antiaérea sírias não agiriam nessa direção, disse Shoigu.

“Sem aviso, mais precisamente, com um minuto de antecedência, Israel nos informou de um ataque que eles estavam planejando realizar; eles nos informaram que estavam atacando alvos na Síria. E então eles atacaram”, afirmou o ministro da Defesa.

Shoigu ressaltou que a aeronave russa foi abatida “como resultado da resposta dos sistemas de defesa antiaérea da Síria ao ataque das forças israelenses”.

Além disso, o Ministério da Defesa russo relatou na terça-feira (18) que os militares israelenses criaram propositalmente uma situação perigosa usando a aeronave russa como escudo contra os sistemas de defesa antiaérea sírios S-200.

No entanto, as Forças de Defesa de Israel (IDF) alegaram que os caças israelenses estavam atacando uma instalação na Síria que continha “sistemas para fabricar armas de precisão e letais” que poderiam ser enviadas “em nome do Irã” ao movimento do Hezbollah no Líbano.

FONTE: Sputnik