Lockheed Martin recebe contrato para os novos mísseis JASSM-XR

A Lockheed Martin recebeu um contrato de US$ 51 milhões para o JASSM-XR (Joint Air-to-Surface Standoff Missile Extreme Range), disse o Departamento de Defesa dos Estados Unidos em um comunicado divulgado no dia 10 de setembro.

O contrato, anunciado segunda-feira pelo Departamento de Defesa dos EUA, inclui todas as atividades programáticas e de engenharia de sistemas para alinhar a fase do trabalho necessário para projetar, desenvolver, integrar, testar e verificar mudanças no design de componentes e subsistemas do o software de linha de base, hardware, firmware e software operacional de voo do JASSM-XR.

O míssil de cruzeiro JASSM-XR também incluirá a preparação para a integração final, testes de solo e de voo em nível de sistema, qualificação e incorporação em uma futura proposta de mudança de engenharia de linha de produção, também notou o DoD.

Esse trabalho irá amadurecer simultaneamente uma nova unidade de controle de mísseis, além do hardware e infraestrutura necessários para apoiar a produção do JASSM-XR. O trabalho será realizado em Orlando, na Flórida, e deve ser concluído em 31 de agosto de 2023.

O JASSM é um míssil de cruzeiro de longo alcance lançado pelo ar com uma fuselagem furtiva. Ele usa um buscador infravermelho e orientação GPS para atacar autonomamente alvos fixos em longas distâncias com uma ogiva de explosão penetrante de 1.000 libras.

O modelo padrão pode ser montado na maioria dos caças e bombardeiros da Força Aérea e da Marinha, enquanto o JASSM-ER está atualmente implantado no bombardeiro supersônico pesado B-1B Lancer. A versão ER está sendo adaptada para ser usada com outras aeronaves.

A versão XR, ou Extreme Range do míssil, está prevista para ter um alcance de mais de mil milhas. Ele será utilizado por bombardeiros pesados e algumas aeronaves de ataque para ataques contra alvos endurecidos.

O JASSM foi empregado pela primeira vez durante os ataques de mísseis de 14 de abril de 2018 contra a Síria. Dois bombardeiros B-1 Lancers dispararam um total de 19 JASSMs como parte de ataques contra três alvos de armas químicas alegadas em poder do governo sírio.

FONTE: Cavok