Exércitos russo e chinês podem funcionar de forma integrada graças a manobras Vostok 2018

Hoje começam as maiores manobras militares da moderna história russa, Vostok 2018. O especialista militar Aleksandr Zhilin comenta ao serviço russo da Rádio Sputnik os principais objetivos dos treinamentos.

No Extremo Oriente começaram as maiores manobras militares da história moderna da Rússia, Vostok 2018, comunicou o Ministério da Defesa russo. Os treinamentos decorrerão no período de 11 a 17 de setembro, comandados pelo ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, sendo os maiores nos últimos 37 anos.

As manobras contarão com a participação de quase 300 mil militares do Distrito Militar Oriental e Central, forças da Frota do Norte, unidades das Tropas Aerotransportadas, aviação da Força Aeroespacial, incluindo a aviação estratégica. Além disso, das manobras estão participando militares da China e da Mongólia.

No decorrer das manobras será treinada a interação entre agrupamentos militares de vários ramos das Forças Armadas, nos interesses da segurança da Rússia. O objetivo principal é verificar como as autoridades de comando militar estão preparadas para planejar e efetuar o reagrupamento de destacamentos a grandes distâncias, como interagem as forças terrestres e navais. Além disso, os comandantes e estados-maiores devem aperfeiçoar as competências de comando das forças.O elemento principal das manobras é a possibilidade de treinar ações de combate em conjunto com a China, comenta o diretor do Centro de Estudos de Problemas Sociais Aplicados de Segurança Nacional, Aleksandr Zhilin, ao serviço russo da Rádio Sputnik.

“Quero destacar particularmente que se trata não apenas de atrair pessoal e grande quantidade de equipamento militar, aviões, veículos blindados, tanques e etc., trata-se de exercícios de comando, com a utilização de novas tecnologias, com um aliado como a China. São componentes importantíssimos, porque nós de fato demostramos que o Oriente está protegido por duas grandes potências”, opina o especialista militar.

FONTE: Sputnik