Google e Mastercard teriam monitorado secretamente compras de 2 bilhões de clientes

O Google pagou milhões de dólares à Mastercard, a segunda maior rede de cartões de crédito dos EUA, para obter acesso aos dados de seus clientes, informou a agência Bloomberg.

No ano passado, certos clientes de publicidade do Google tiveram acesso a uma nova ferramenta para monitorar se os anúncios que publicam on-line resultaram em uma compra em uma loja real nos EUA.
A informação vinha parcialmente das transações com Mastercard.

Porém, grande parte dos dois bilhões de titulares da Mastercard não está a par do rastreamento de seus dados pessoais, porque as companhias nunca avisaram sobre o acordo, ressalta a Bloomberg.

O Google e a Mastercard firmaram um acordo de parceria durante aproximadamente quatro anos de negociações, segundo disseram à Bloomberg quatro pessoas conhecedoras do contrato, três das quais trabalharam diretamente no contrato.A aliança permitiu ao serviço de busca ativos sem precedentes para medir gastos de varejo como parte da estratégia para fortalecer seu negócio principal da concorrência da Amazon e outros concorrentes, detalha a agência.

O Google pagou à Mastercard milhões de dólares para receber acesso aos dados e, segundo uma das fontes da agência, as empresas discutiram compartilhar uma parte das receitas de publicidade.

“O resultado é poderoso: o Google sabe que pessoas clicaram em anúncios e agora pode contar a publicitários que esta atividade resultou em compras reais nas lojas”, diz o artigo da agência.

Segundo dois indivíduos conhecedores do acordo, o Google ofereceu a outras empresas de pagamento para participarem do programa, porém, não está claro se firmaram acordos semelhantes.

Respondendo às notícias, o gigante de TI se recusou a comentar a parceria com a Mastercard, mas falou sobre ferramentas de anúncios. A empresa negou ter acesso aos dados pessoais de cartões de débito ou crédito de seus parceiros e partilhar informações pessoais com seus parceiros. Segundo a empresa, seus usuários podem desativar seu sistema de monitoramento de anúncios.

FONTE: Sputnik