Revista americana compara táticas de uso de robôs militares da Rússia e dos EUA

Depois dos testes do veículo de combate robótico Uran-9 na Síria, especialistas militares dos EUA analisaram o papel e o conceito de utilização de robôs em combate, tendo ainda comparado as caraterísticas dos robôs militares russos e norte-americanos.

Antes de mais, o analista militar Charlie Gao da revista The National Interest prestou atenção à diferença fundamental na filosofia de planejamento militar dos EUA e da Rússia.

Por exemplo, o Pentágono destaca cinco aplicações potenciais dos robôs. Entre elas estão a vigilância, o abastecimento de tropas, o apoio às tarefas cognitivas e físicas dos soldados, o aumento das capacidades de manobra, bem como a proteção das Forças Armadas. O exército norte-americano utiliza os robôs principalmente em tarefas auxiliares e de transporte de cargos.

Por sua vez, o Estado-Maior russo prevê usar os robôs em missões ofensivas, em ataques de vanguarda ou para neutralizar as posições do adversário em colaboração com as tropas convencionais.

“Em primeiro lugar, a Rússia pelo visto se foca em veículos de combate. O Uran-9 foi elaborado principalmente como uma plataforma para transportar armamentos. Este é módulo, com variados tipos de torres que transportam diferentes tipos de armas”, assinalou o autor da matéria.

Outra diferença conceptual, de acordo com o analista, é que os sistemas robóticos russos não são voltados para o uso da inteligência artificial, por serem dirigidos por um operador. Os militares dos EUA, pelo contrário, pretendem fazer com que seus veículos de transporte não tripulados se movam de forma autônoma, ou contem com a participação humana mínima.

“A abordagem da Rússia, caso as dificuldades de natureza técnica possam ser superadas, é mais útil para diminuir o número de vítimas em meio a um conflito armado”, ressaltou o autor.

FONTE: Sputnik