Seul anuncia possível comunidade econômica com Pyongyang, Rússia, China e EUA

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse nesta terça-feira (14) que a futura cúpula com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, no próximo mês, seria mais um passo para a desnuclearização da península coreana e o fim da Guerra da Coreia. Ele enfatizou que a paz e a prosperidade de toda a região depende da integração entre as Coreias.

Estabelecer uma comunidade econômica conjunta entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul e introduzir a possibilidade de viagens irrestritas entre os países será “uma verdadeira libertação”, disse o presidente sul-coreano, Moon Jae-in.

“Precisamos superar tal divisão para nossa sobrevivência e desenvolvimento. Mesmo que uma unificação política possa estar muito longe daqui, estabelecer a paz entre o sul e o norte e visitar livremente uns aos outros, e formar uma comunidade econômica conjunta é uma verdadeira libertação para nós”, Moon Jae-in foi citado pela agência de notícias Yonhap.

Moon afirmou que a comunidade econômica incluiria 6 países da região nordeste da Ásia, além dos Estados Unidos. Segundo o ganibete do presidente sul-coreano, os países asiáticos seriam a Coreia do Norte, a Coreia do Sul, a China, a Mongólia, além da Rússia, ainda de acordo com a agência Yonhap

O estabelecimento da comunidade levaria a um bloco energético e econômico na região, expandindo a área econômica e se tornaria a fundação da co-existência e da prosperidade no nordeste asiático. E isso marcaria o início de um sistema multilateral de segurança no nordeste asiático”, afirmou Moon Jae-in, conforme citado pela agência.

O presidente sul-coreano também apontou seu desejo pela descnuclearização da Coreia do Norte, afirmando que após o estabelecimento da paz na região, os países poderiam estabelecer pelo menos duas zonas econômicas especiais próximas às províncias de Gyeonggi e Gangwon.

Moon também expressou a possibilidade da ligação das ferrovias entre os território das Coreias, acelerando assim a integração entre os países. Segundo divulgado, a medida poderia ser concretizada ainda neste ano.As Coreias seguem em um processo de aproximação desencadeado este ano após encontros entre os líderes dos países, que aconteceram em abril e mais tarde e maio. O próximo encontro entre os líderes deve acontecer entre 12 e 13 de setembro, segundo afirmou o conselheiro especial da presidência sul-coreana para Relações Exteriores.

Devido aos avanços diplomáticos, a tensão que envolvia a Coreia do Norte tem diminuído. Kim Jong-un também esteve este ano com Xi Jinping, líder chinês e com Donald Trump, presidente dos EUA.

FONTE: Sputnik