Trump assina projeto de lei que bloqueia transferência dos F-35 à Turquia

F-35 da Turquia na cerimônia de entrega nos EUA

O presidente Donald Trump assinou ontem o Ato de Autorização de Defesa Nacional (NDAA) em Fort Drum, no estado de Nova York. O texto do projeto de lei especificamente proíbe a entrega dos F-35 Joint Strike Fighters à Turquia – um aliado da Otan e um dos primeiros parceiros internacionais do programa que remonta a duas décadas. A Turquia tem planos de comprar 100 dos caças furtivos, dos quais 30 já estão sob encomenda, e investiu US$ 1,2 bilhão no programa até o momento.

A linguagem da lei exige uma revisão por escrito dentro de 90 dias nas relações turco-americanas, incluindo o uso da Base Aérea de Incirlik pelas forças americanas, bem como uma avaliação de risco associada à entrega de F-35s à Turquia, bem como outras plataformas e sistemas de armas. Um trecho do texto diz o seguinte:

Avaliação dos impactos em outros sistemas e plataformas de armas dos Estados Unidos operados em conjunto com a República da Turquia para os seguintes

(ii) o sistema de mísseis superfície-ar Patriot;
(iii) o helicóptero de carga pesada CH-47 Chinook;
(iv) o helicóptero de ataque AH-64;
(v) o helicóptero utilitário H-60 ​​Black Hawk; e
(vi) o avião F-16 Fighting Falcon.

O secretário de Defesa, James Mattis, se opôs a bloquear a transferência sob a alegação de que a Turquia ainda é um aliado estratégico dos Estados Unidos e que isso aumentaria o custo do programa F-35 e potencialmente interromperia sua cadeia de fornecimento, entre outros fatores. Mas a retórica que emana de Ancara não aponta para a possibilidade de uma revogação do embargo tão cedo, já que tanto Trump quanto Erdogan brigam pelo retorno de líderes religiosos aos países um do outro.

Em 10 de agosto de 2018, o governo Trump impôs sanções à Turquia por sua relutância em libertar o pastor americano Andrew Brunson, que está sob custódia turca desde 2016, após ter sido acusado de envolvimento no golpe militar fracassado contra o presidente Erdogan. Erdogan afirmou há muito tempo que os EUA estão protegendo Muhammed Fethullah Gülen, que o presidente turco alega ter sido o mentor da tentativa de golpe de 2016 contra ele, apesar de o clérigo viver nos Estados Unidos.

As sanções fizeram a economia já vacilante da Turquia entrar em parafuso, com sua moeda, a Lira, despencando. Erdogan afirmou que a ação dos Estados Unidos de impor sanções é uma “facada nas costas” e que seu governo está trabalhando para evitar mais danos econômicos e estabilizar a situação. Ele também disse que os “terroristas econômicos” serão tratados de acordo, o que aparentemente inclui mídias que imprimem informações negativas sobre a economia.

E tudo isso é soma-se à razãi original por trás da legislação de embargo do F-35 – a compra pela Turquia dos sistemas de defesa aérea S-400 de Moscou – uma medida que poderia colocar em risco a natureza sensível das capacidades do F-35 e suporte de arquitetura. Também estão em risco as compensações industriais e a participação da Turquia relacionadas ao programa que, segundo se diz, vale cerca de US $ 12 bilhões no total.

O Daily Sabah afirma que a Alp Aviation, a AYESAS, a Kale Aviation, a Kale Pratt & Whitney e a Turkish Aerospace Industries estão produzindo componentes para o programa F-35. Em alguns cálculos, pode levar até dois anos para que esses componentes sejam redirecionados para fabricantes nos EUA ou em outros países clientes do F-35. Além disso, uma das três instalações de manutenção de motores planejadas na Europa para fornecer serviço em nível de parque para o motor F135 que impulsiona o F-35 está localizado na Turquia. Os outros dois ficarão na Noruega e na Holanda.

A legislação também exige um estudo sobre o impacto do fim da participação da Turquia no programa F-35:

C) Uma avaliação da participação da República da Turquia no programa F-35, incluindo:
(i) uma descrição da participação industrial da indústria turca na fabricação e montagem do programa F-35;
(ii) uma avaliação de ferramentas e outros materiais de fabricação mantidos pela indústria turca; e
(iii) uma avaliação dos impactos de uma mudança significativa na participação da República da Turquia no programa F-35 e os passos que seriam necessários para mitigar os impactos negativos de tal mudança nos Estados Unidos e outros parceiros de programas internacionais.
(D) Uma identificação de possíveis sistemas alternativos de defesa aérea e de mísseis que poderiam ser adquiridos pelo Governo da República da Turquia, incluindo sistemas de defesa antimísseis e aéreos operados pelos Estados Unidos ou outros estados membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

FONTE: The Drive