General israelense aponta condição de cooperação com Rússia na área da defesa antiaérea

Israel e Rússia podem cooperar no campo da defesa antiaérea desde que os mísseis russos S-300 não sejam fornecidos à Síria, declarou à Sputnik o general aposentado e ex-chefe da organização do sistema de defesa antiaérea de Israel, Uzi Rubin.

“Esta [cooperação] depende da Rússia […] No momento as relações de Israel e Rússia são amigáveis. A Rússia presta uma grande e justificada atenção aos problemas da segurança de Israel”, disse Rubin durante uma conferência sobre questões de defesa espacial e de mísseis.

“No entanto, se eles [a Rússia] entregarem os S-300 aos sírios, as relações entre os nossos países irão se degradar. Isso [o fornecimento dos S-300] tem consequências políticas muito sérias, é um problema político”, acrescentou o interlocutor.

Um possível retorno à discussão do fornecimento dos S-300 à Síria foi anunciado pelo Estado-Maior russo depois que os EUA, Grã-Bretanha e França realizaram ataques com mísseis contra instalações do governo sírio em 14 de abril.

Posteriormente, o ministro russo das Relações Exteriores Sergei Lavrov declarou em entrevista à Sputnik que, depois do golpe da coalizão, Moscou não “tem nenhuma obrigação moral” de não fornecer os S-300 à Síria.Além da defesa antiaérea, Moscou e Tel Aviv discutem as questões de segurança no sul da Síria. Essas conversas acontecem regularmente ao nível de chefes de Estado. A parte russa relatou anteriormente que um dos resultados dessas negociações foi o afastamento das forças iranianas das zonas limítrofes da fronteira com Israel e também o retorno ao acordo de 1974 sobre a separação das forças sírias e israelenses nas Colinas de Golã. Segundo a parte israelense, esse acordo atende aos interesses de Tel Aviv e Damasco.

FONTE: Sputnik