Irã demonstra capacidade naval de sufocar o fluxo de petróleo do Golfo

Escalada na disputa com os EUA sobre a retirada do acordo de armas nucleares

A Marinha do Irã enviou dezenas de pequenas embarcações ao Estreito de Ormuz no dia 2 de agosto, mostrando sua capacidade de sufocar a estratégica hidrovia do Golfo Pérsico – uma medida que poderia elevar os preços globais do petróleo e da gasolina dos EUA – e aumentando o confronto com a administração Trump pela retirada do acordo nuclear de 2015.

Autoridades dos EUA disseram que o exercício naval era a maneira de Teerã mostrar sua capacidade de criar uma ruptura na hidrovia, através da qual cerca de 30% do petróleo transportado pelo mundo passa diariamente. Autoridades do Pentágono disseram esperar que o exercício durasse apenas algumas horas, embora não estivesse claro na noite de quinta-feira se ele havia terminado.

“Estamos monitorando de perto, e continuaremos a trabalhar com nossos parceiros para garantir a liberdade de navegação e o livre fluxo comercial”, disse uma declaração do capitão da marinha Bill Urban, porta-voz do Comando Central dos EUA.

O exercício marcou a mais recente escalada do Irã em resposta à promessa de Trump de começar a restabelecer as duras sanções econômicas nos próximos dias que foram suspensas sob o acordo de 2015. Uma fonte do Pentágono disse que as inesperadas medidas da Marinha iraniana confirmaram a rejeição por Teerã da oferta do presidente Trump para conversas diretas e incondicionais com o presidente iraniano Hassan Rouhani.

O desdobramento de pequenas embarcações seguiu-se a uma relativa calmaria nos assédios da Marinha iraniana contra os navios de guerra americanos que atravessavam o precário Golfo Pérsico. A última vez que as tensões chegaram a ferver foi em 2016, quando as forças iranianas capturaram e detiveram brevemente 10 marinheiros americanos.

FONTE: Poder Naval