Exercício naval RIMPAC 2018 terá participação de 26 nações ao largo do Havaí

O maior exercício naval internacional do mundo – Rim do Pacífico (RIMPAC) – será anfitrião de 26 nações, 47 navios de superfície, cinco submarinos, 18 forças terrestres nacionais e mais de 200 aeronaves e 25.000 pessoas para manobras, anunciou a Marinha dos EUA.

O exercício está programado para ocorrer entre 27 de junho e 2 de agosto, em torno das ilhas havaianas e do sul da Califórnia.

O exercício deste ano inclui forças da Austrália, Brasil, Brunei, Canadá, Chile, Colômbia, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Israel, Japão, Malásia, México, Holanda, Nova Zelândia, Peru, República da Coreia, República da Filipinas, Cingapura, Sri Lanka, Tailândia, Tonga, Reino Unido, Estados Unidos e Vietnã.

Esta é a primeira vez que Brasil, Israel, Sri Lanka e Vietnã estão participando da RIMPAC. O Brasil deveria se juntar à RIMPAC 2016, mas foi cancelado pouco antes do início do exercício, citando “compromissos de cronograma imprevistos”.

Outras novidades incluem a Nova Zelândia, que serve como comandante de combate marítimo, e o Chile, como comandante de força marítima combinada.

O tema do RIMPAC 2018 é “Capable, Adaptive, Partners.” Nações e forças participantes estarão participando de atividades que vão desde operações de assistência em desastres e segurança marítima até o controle do mar e guerras complexas.

O programa de treinamento inclui operações anfíbias, exercícios de artilharia, mísseis, antissubmarino e de defesa aérea, bem como operações contra-pirataria, operações de remoção de minas, descarte de explosivos e operações de mergulho e salvamento.

Eventos inéditos nesta edição do exercício RIMPAC

A edição deste ano do exercício será a primeira vez que uma nação não-fundadora (Chile) do RIMPAC ocupará uma posição de liderança de comandante de componente. Este ano também contará com lançamento real de um Míssil Antinavio de Longo Alcance (LRASM) de uma aeronave da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), mísseis superfície-superfície lançados pela Força Terrestre de Autodefesa do Japão e lançamento de um Naval Strike Missile (NSM) pelo Exército dos EUA.

Isso marca a primeira vez que uma unidade terrestre participará do evento de tiro real durante o exercício. O RIMPAC 18 também incluirá exibições internacionais de bandas e destacará a inovação da frota durante uma Feira de Inovação.

Além disso, pela primeira vez desde o RIMPAC 2002, o 3rd Fleet’s Command Center será transferido de San Diego para Pearl Harbor para apoiar o comando e controle de todas as forças da 3ª Frota na área de responsabilidade da 3ª Frota, incluindo forças que operam no Pacífico Ocidental. O Centro de Comando da Frota será estabelecido em um comando e controle conjunto desdobrável no Hospital Point para a primeira parte do exercício e, em seguida, a transição para a USS Portland (LPD 27) para o restante do exercício.

Hospedado pelo Comandante da Frota do Pacífico dos EUA, o RIMPAC 2018 será liderado pelo Comandante da 3ª Frota dos EUA, o Vice-Almirante John D. Alexander, que servirá como comandante da força-tarefa combinada (CTF – Combined Task Force).

O contra-almirante da Marinha Real do Canadá, Bob Auchterlonie, servirá como vice-comandante da CTF, e o contra-almirante da Força Marítima de Autodefesa do Japão, Hideyuki Oban, como vice-comandante da CTF.

A Fleet Marine Force será liderada pelo brigadeiro-general Mark Hashimoto do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC). Outros líderes importantes da força multinacional incluirão o comodoro Pablo Niemann, da Armada de Chile, que comandará o componente marítimo, e o comodoro Craig Heap, da Real Força Aérea Australiana, que comandará o componente aéreo.

O RIMPAC 2018 é o 26º exercício da série que começou em 1971.

FONTE: Poder Naval