França e Grã-Bretanha vão enviar navios de guerra para desafiar Pequim no contestado Mar da China Meridional

Ministros da Defesa disseram em fórum de segurança que estão contribuindo para a ordem baseada em regras

França e Grã-Bretanha vão navegar no Mar da China Meridional para desafiar a crescente presença militar de Pequim nas águas disputadas, disseram seus ministros da defesa no domingo.

Os dois países, ambos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, fizeram as declarações no Diálogo Shangri-La em Singapura, ecoando o mais recente plano dos EUA de aumentar sua liberdade de operações de navegação para combater a militarização de Pequim na região e sua posição de que disputas territoriais devem ser uma questão entre a China e seus vizinhos asiáticos.

Um grupo-tarefa marítimo francês, juntamente com helicópteros e navios britânicos, visitará Singapura na próxima semana e depois navegará “em certas áreas” do Mar da China Meridional, disse o ministro das Forças Armadas da França, Florence Parly, ao fórum anual de defesa.

Sem nomear a China, ela sugeriu que os navios de guerra cruzariam as “águas territoriais” reivindicadas por Pequim e imaginou um possível encontro com seus militares.

“Em algum momento, uma voz severa se intromete no transponder e nos diz para sair de supostas águas territoriais”, disse ela. “Mas o nosso comandante responde calmamente que ele continuará a navegar, porque estas, de acordo com o direito internacional, são de fato águas internacionais”.

Parly disse que, apesar de a França não ser uma demandante nas disputas do Mar do Sul da China, ao realizar tais exercícios “regularmente com aliados e amigos”, isso estava contribuindo para uma ordem baseada em regras.

“Ao exercer nossa liberdade de navegação, também nos colocamos na posição de um persistente opositor à criação de qualquer pretensão à soberania de fato nas ilhas”, disse ela.

Em vez de aceitar a situação como um fato consumado, Parly disse que a França deveria questioná-la, caso contrário, ela será estabelecida como um direito.

“Acredito que devemos ampliar ainda mais esse esforço”, disse Parly, acrescentando que a Europa estava se mobilizando mais amplamente para apoiar esse esforço e que também havia observadores alemães a bordo.

As reivindicações de Pequim para mais de 90% do Mar da China Meridional se sobrepõem a várias de seus vizinhos e, nos últimos meses, expandiram a militarização de suas ilhas artificiais na hidrovia rica em recursos.

O secretário de Estado britânico para a Defesa, Gavin Williamson, também disse à cúpula que três navios de guerra serão enviados à região neste ano para combater a influência maligna e preservar a ordem baseada em regras para o longo prazo.

“Temos que deixar claro que as nações precisam seguir as regras e há consequências em não fazê-lo”, disse Williamson.

O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, alertou no sábado que a militarização do Mar da China Meridional por parte de Pequim enfrentaria “consequências muito maiores”, sem dar mais detalhes.

O Pentágono estaria considerando uma abordagem mais assertiva na região que, comparada às suas operações de liberdade de navegação prévias, poderia envolver patrulhas mais longas, mais navios e vigilância mais próxima das instalações chinesas, como equipamentos de interferência eletrônica e radares militares avançados.

Autoridades norte-americanas também estão pressionando aliados internacionais e parceiros para aumentar suas instalações navais na importante rota comercial, enquanto a China aumenta sua presença militar nas ilhas disputadas Paracel e Spratly (ver mapas abaixo), mesmo que elas não cheguem a um desafio direto.

No fórum, os representantes de Pequim responderam aos planos franceses e britânicos dizendo que o Mar da China Meridional é livre e aberto para todos, e que não haveria restrições à liberdade de navegação normal.

“Mas a violação da soberania da China não será permitida”, disse o tenente-general He Lei, vice-presidente da Academia de Ciência Militar e chefe da delegação da China.

O coronel Zhou Bo, diretor do Centro de Cooperação em Segurança do Ministério da Defesa, disse que a questão é se a França e a Grã-Bretanha pretendem navegar a 12 milhas náuticas das ilhas e recifes controlados pelos chineses.

“As ilhas chinesas não estão na rota usual de navegação internacional, por isso, se deliberadamente entrarem nessas águas dentro de 12 milhas náuticas, isso será visto pela China como uma provocação intencional”, disse Zhou.

Na semana passada, dois navios de guerra dos EUA chegaram a 12 milhas náuticas das Ilhas Paracel – que são reivindicadas pela China, Vietnã e Taiwan – e realizaram operações de manobra.

O Pentágono também cancelou o convite à Marinha Chinesa para participar de um próximo exercício marítimo internacional no Havaí, citando “a continuada militarização da China no Mar da China Meridional”.

Ilhas disputadas no Mar do Sul da China. (Clicar na imagem para ampliar)

FONTE: South China Morning Post