Alguém está usando desinformação para pôr Israel contra a Rússia, diz analista

O Ministério da Defesa da Rússia desmentiu a informação sobre uma suposta intercepção de um caça F-16 israelense por um avião russo Su-34 no espaço aéreo do Líbano. O especialista militar Oleg Glazunov, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, sugere de onde podem ter surgido tais informações.

A Força Aeroespacial da Rússia não participou da intercepção de caças israelenses, declarou o Ministério da Defesa russo, notando que os bombardeiros Su-34 não são usados para intercepção de alvos aéreos. Além do mais, não efetuam missões no espaço aéreo do Líbano.

Mais cedo, algumas mídias, com referência ao jornal israelense The Times of Israel, informaram que os aviões russos teriam participado de manobras no mar Mediterrâneo e teriam entrado no espaço aéreo do Líbano por causa do mau tempo.

O especialista militar russo Oleg Glazunov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, expressou a sua opinião em relação a estas publicações.

“Trata-se de desinformação, voltada propositadamente para pôr Israel contra a Rússia. Há pouco [o premiê israelense Benjamin] Netanyahu chegou a Moscou, temos acordos relativos a Israel e à Síria. Há quem não goste de termos conseguido chegar a acordo, e de termos relações de amizade com Israel — por isso agravam a situação de tal modo, tentando nos fazer zangar. Mas não conseguirão. No Oriente Médio não é possível esconder nada. Por isso, é muito provável que esta desinformação fique sem atenção. Em Israel sabem que cumprimos a nossa palavra, por isso tal não passará”, disse Oleg Glazunov.

A aviação israelense efetua regularmente ataques contra a Síria a partir do espaço aéreo do Líbano. Em particular, no início de maio, em resposta a um ataque de mísseis, a Força Aérea de Israel relatou ter atacado dezenas de alvos supostamente pertencentes ao Irã na Síria e baterias de defesa antiaérea. O representante oficial de Israel declarou que as autoridades russas tinham sido informadas antes destes bombardeamentos.

FONTE: Sputnik