US Navy: 74º destróier classe Arleigh Burke em construção

Concepção em 3D do novo destróier classe Arleigh Burke Flight III

Quando o destróier USS Jack H. Lucas (DDG 125) se juntar à frota da Marinha dos EUA no ano 2024, ele será parecido com os 73 destróieres da classe Arleigh Burke que o precederam. Mas vai ser um navio de guerra muito diferente e mais capaz do que seus predecessores.

O estaleiro Huntington Ingalls anunciou no dia 8 de maio que tinha começado a construção do primeiro destróier Flight III, um navio que adiciona crucialmente o radar de defesa aérea e anti-míssil balístico AN/SPY-6 AMDR – Air and Missile Defense Radar, da Raytheon.

Um navio é considerado “em construção” depois que as primeiras 100 toneladas de aço foram cortadas – um marco que o Jack Lucas superou esta semana no estaleiro de Ingalls, em Pascagoula, Mississippi.

O Flight III é uma grande modificação do destróier de mísseis guiados DDG 51. Foi necessário um redesenho de 45 por cento do casco, a maioria dos quais foi feita para acomodar o radar AN/SPY-6 e suas necessidades de energia formidáveis.

O radar de defesa aérea e de mísseis destinado ao Jack Lucas e seus destróieres seguintes é 30 vezes mais sensível do que os radares AN/SPY-1D nos navios anteriores, sensibilidade adicional que aumentar sobremaneira suas capacidades em combate antiaéreo e de defesa contra mísseis balísticos.

Juntamente com os upgrades do Programa de Melhoramento da Guerra Eletrônica de Superfície em andamento, o Jack Lucas também terá mais capacidades passivas. Quando usado em conjunto com outros sensores passivos externos, como com o avião de combate F-35, ele será capaz de triangular e localizar um alvo sem ficar ativo e entregar a posição do navio.

O radar é uma atualização necessária, já que a Marinha quer se manter à frente da China e da Rússia, de acordo com Bryan McGrath, comandante de destróier aposentado e consultor do The Ferrybridge Group.

“Nosso venerável radar SPY-1 nos serviu bem por um longo tempo, mas a ameaça mudou e precisamos de um novo radar”, disse McGrath. “E o SPY-6 é esse radar. É uma atualização considerável em todos os aspectos. Ele nos permite rastrear objetos mais manobráveis e menores em alcances mais amplos, e isso proporciona tempo de decisão.”

Arleigh Burke Flight III

 

Componentes do sistema AN/SPY-6 AMDR

FONTE: Defense News