Marinha Real Holandesa vai investir bilhões em modernização

PARIS – A Marinha Real Holandesa está prestes a receber um investimento de vários bilhões de euros, informou o jornal holandês De Telegraaf na quinta-feira. Além das duas fragatas classe M, seis caça-minas também serão substituídos parcialmente por sistemas  não-tripulados. Haverá também novos mísseis, torpedos e canhões, enquanto as quatro fragatas de defesa aérea e comando sofrerão uma atualização completa.

A secretária de Estado da Defesa, Barbara Visser, anunciou oficialmente isso à Câmara dos Deputados na quinta-feira da semana passada. No total, isso envolve um investimento de 6,7 bilhões de euros além da substituição dos submarinos, para o qual foram destinados 2,5 bilhões de euros adicionais.

De acordo com um acordo bilateral de compras navais conjuntas assinado em novembro de 2016, a Holanda é a nação líder para a aquisição de fragatas para as duas frotas, enquanto a Bélgica deve liderar a aquisição de novos caça-minas para ambos.

Proposta holandesa

No memorando do Secretário de Estado, as forças navais parecem se beneficiar mais dos recursos extras que esse governo está gastando com as forças armadas. No final deste período de gabinete, acabará por receber 1,5 bilhões de euros estruturais.

As fragatas são a espinha dorsal da marinha, e sua substituição é essencial. Devido ao seu poder, asseguram a segurança no mar, a defesa do território nacional e dos aliados e o transporte marítimo sem restrições. Onde as fragatas de defesa aérea e comando se especializam em defesa aérea, as fragatas classe M são projetadas para a guerra antissubmarino, que é uma capacidade que a OTAN tem uma grande necessidade. Além das operações de combate, as fragatas também são adequadas para, por exemplo, o combate ao terrorismo, ao controle de drogas e pirataria e a provisão de ajuda de emergência.

A construção de um navio complexo como uma fragata leva mais de 7 anos. A primeira nova fragata deverá estar operacional a partir de 2025.

As atuais fragatas multimissão, a HNLMS Van Speijk e a HNLMS Van Amstel foram comissionadas para o serviço da Marinha em 1991 e 1995, com uma duração planejada de 25 anos. Até 2024, novas fragatas devem entrar em serviço para substituí-las.

HNLMS Van Amstel

A substituição das fragatas classe M é estimada em 1 a 2,5 bilhões de euros, segundo Visser, e o ministério gostaria de fazer em casa, preferindo uma licitação na qual a Damen Shipyards em Gorinchem seria a maior concorrente, segundo a RTL Nieuws. Os contratos de defesa não estão sujeitos às regras de contratação europeias.

Outra compra importante é a de um segundo navio de suprimento. Os Países Baixos têm agora um navio de abastecimento, o navio de apoio logístico conjunto (JSS) Karel Doorman depois de um – o Zr.Ms. Amsterdam – ter sido aposentado em 2014 e vendido ao Peru. Para um novo navio, 250 milhões a 1 bilhão de euros serão alocados.

Um segundo navio de apoio de combate (CSS) deve aumentar a eficácia dos navios de guerra, pois eles teriam que deixar a área de operações com menos frequência para uma visita de porto. Com um segundo navio de apoio, a organização holandesa de defesa pode ter permanentemente capacidade de abastecimento no mar e também torná-lo disponível para a OTAN.

O CSS deve ser lançado de forma relativamente rápida a partir de 2023. Para esse propósito, a organização de defesa adotará o projeto existente do JSS. Comprar “off-the-shelf” tem várias vantagens: o uso pode ser feito do conhecimento e experiência existentes, e a manutenção e treinamento da tripulação podem ser agrupados.

O CSS é menor que o JSS, mas continua o mesmo navio tanto quanto possível, na arquitetura e no design, no sistema de comando, no armamento e no uso de sistemas como radar.

HNLMS Vlaardingen (M863), da classe Alkmaar

Novos caça-minas

A Marinha Holandesa opera seis caçadores de minas da classe Alkmaar. Desenvolvido e construído na década de 1980 em um programa conjunto com a Bélgica e a França, e agora chegou ao fim de sua vida útil.

A situação de segurança deteriorada aumenta as chances de que minas navais possam ser implantadas, e há também muitos explosivos na costa que sobraram da Primeira e Segunda Guerra Mundial.

O futuro do controle de minas marítimas está em sistemas não tripulados e parcialmente autônomos. Estes são implantados a uma distância segura de um navio de controle de minas tripulado. Além disso, os caça-minas são projetados de tal maneira que podem operar em todo o mundo e sob alta ameaça. A Holanda receberá as novas unidades, tanto tripuladas como não tripuladas, entre 2025 e 2030.

O custo da substituição dos seis caça-minas holandeses cairá na mesma ordem de grandeza do CSS, ou menos de 1 bilhão de euros.

Outras despesas

De acordo com o memorando para o Parlamento, uma seleção de outras aquisições planejadas pelo Ministério da Defesa nos próximos anos para a Marinha Real da Holanda inclui:

  • Nova geração de mísseis antiaéreos para as fragatas classe M: 250 milhões – 1 bilhão de euros;
  • Sistema de defesa softkill contra torpedos: 100-250 milhões de euros;
  • Substituição do canhão de 127 mm nas fragatas De Zeven Provinciën; 100-250 milhões de euros;
  • Substituição do sistema Harpoon (míssil superfície-superfície): 100-250 milhões de euros; e
  • Substituição do sistema CIWS Goalkeeper para autodefesa contra ameaça aérea de curto alcance: 100-250 milhões de euros.

FONTE: defense-aerospace.com