Finlândia abrirá concorrência de 10 bilhões de euros para novos caças

Um investimento maciço em novos aviões de combate deve ser feito nos próximos anos – mas um possível anúncio sobre uma nova opção de joint venture no Berlin Air Show desta semana pode complicar a decisão da Finlândia

As autoridades finlandesas estão prestes a enviar pedidos de ofertas para um dos maiores investimentos do país: cerca de 7 a 10 bilhões de euros para a compra de aeronaves de combate multi-missão. Eles devem substituir a frota atual de 64 jatos F/A-18 Hornet.

O Yle soube que as cartas serão enviadas iminentemente para cinco fabricantes de aviões solicitando ofertas. Caberá ao próximo governo, definido para assumir o cargo na próxima primavera, decidir qual tipo de aeronave adquirir.

Os cinco aviões atualmente em operação incluem três de empresas da União Europeia e dois dos Estados Unidos: o britânico Eurofighter Typhoon, o francês Dassault Rafale, o sueco Saab Gripen E e os aviões norte-americanos Boeing F/A-18 Super Hornet e Lockheed Martin F-35

A seleção também inclui muitos outros elementos, incluindo montagem, interoperabilidade, sistemas operacionais e armas. E o impacto chegará ao futuro, já que a Finlândia espera usar os novos aviões na década de 2050.

F-18 finlandeses – foto Forças Armadas da Finlândia

Preço de etiqueta apenas 1/3 do investimento total

O preço de compra de 7-10 bilhões de euros provavelmente representará apenas cerca de um terço dos custos totais a serem incorridos durante a vida útil dos aviões. O custo de comprar, manter e atualizar a aeronave dependerá em parte de quantos aliados e vizinhos da Finlândia estão usando o mesmo modelo.

“Quanto mais usuários existem, mais oportunidades existem para encontrar outros países com interesses semelhantes aos da Finlândia”, diz Jyri Raitasalo, professor militar de estudos de guerra na Universidade de Defesa Nacional da Finlândia.

A posição da política de segurança das outras nações usando o mesmo avião também é uma questão relevante, particularmente para os políticos que estão definindo a política da Finlândia e decidirão sobre a aquisição no início dos anos 2020.

Boeing F/A-18E Super Hornet

Trump erroneamente anunciou a compra do Hornet

O Yle soube que as autoridades de defesa finlandesas têm monitorado de perto o progresso do caça Gripen E, feito pela vizinha Suécia – um aliado próximo que, como a Finlândia, tem um “filiação melhorada” no programa da Parceria para a Paz da OTAN.

A última versão do avião, conhecida como o Saab Gripen JAS 39E/F, foi testada pela primeira vez no ano passado. Até agora, menos de 100 dos aviões foram vendidos, apenas para a Suécia e o Brasil.

Em comparação, os aviões americanos são vendidos em grande número e têm a garantia de um futuro longo. Por exemplo, a Marinha dos EUA planeja voar os Super Hornets da Boeing até a década de 2040, de modo que o serviço e o suporte para os aviões não serão eliminados tão cedo.

A rival Lockheed Martin, enquanto isso, vendeu menos de 300 de seu F-35, mas muitos pedidos para o avião estão pendentes – também por países europeus, incluindo a vizinha Noruega.

Durante os anos da Guerra Fria, a Finlândia não-alinhada procurou equilibrar cuidadosamente as aquisições militares do Oriente e do Ocidente, mas desde a queda da URSS, tem uma mão mais livre.

Em 1992, a Finlândia decidiu comprar Boeing Hornets e tem voado desde 1995, ano em que ingressou na União Europeia. Então, claramente, eles seriam fortes concorrentes para substituir a frota existente.

No entanto, em agosto passado, o presidente Sauli Niinistö apressou-se a negar uma alegação do presidente dos EUA, Donald Trump, de que a Finlândia compraria novos caças a jato da Boeing.

Concepção em 3D do Future Combat Air System da Airbus

Novo Eurofighter no horizonte?

Enquanto isso, o setor de jatos de combate pode ser abalado pela França e pelos planos da Alemanha de se unir para produzir um novo tipo de jato Eurofighter. Até agora, há apenas um plano político, não um empreendimento industrial real.

O Yle soube de fontes francesas que os dois países planejam fazer um grande anúncio conjunto sobre a aviação militar no Berlin Air Show, que será inaugurado próxima na quarta-feira.

Reportagens francesas indicam que ele poderia substituir tanto o Rafale quanto o atual Eurofighter. No entanto, nenhum novo Eurofighter franco-alemão é esperado antes de 2035. Portanto, não está claro como o plano pode afetar a Finlândia, que precisa de novas aeronaves até meados da próxima década, diz Raitasalo. Há também relatos de que a Saab da Suécia pode participar de um novo projeto Eurofighter.

Todos os aviões candidatos estão agora na mesma linha de partida, diz Lauri Puranen, que está coordenando o projeto no Ministério da Defesa. Ele diz que é importante que outros países, além da Finlândia, usem os aviões durante toda a sua vida útil.

“É difícil dizer, por exemplo, se esse empreendimento europeu trará incerteza”, diz Puranen.

FONTE: yle.fi