Caça F-35 solta pecinha

Fuzileiros navais usam impressora 3D para fazer peça de reposição para caça F-35B

O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC) com o Batalhão Logístico de Combate 31 (CLB-31) da 31ª Unidade Expedicionária dos Fuzileiros Navais (31ª MEU), agora é capaz de “’manufatura aditiva’”, também conhecida como impressão 3D.

Este processo inovador usa software de impressão 3D para dividir um modelo digital em camadas que podem ser reproduzidas pela impressora. A impressora constrói o modelo a partir do zero, camada por camada, criando um objeto tangível.

O sargento Adrian Willis do USMC, um técnico de computador e telefone, disse que ficou emocionado ao ser selecionado por seu comando para trabalhar com uma impressora 3D.

Impressão em 3D é o futuro

“Acho que a impressão 3D é definitivamente o futuro – é absolutamente a direção que o Corpo de Fuzileiros Navais precisa seguir”, disse Willis.

O Corpo de Fuzileiros Navais tem tudo a ver com realização de missão e autoconfiança. No campo de treinamento, os recrutas dos Marines são ensinados a ter uma mentalidade de “solucionar”, e a impressão em 3D é o próximo passo para um Marines que se orgulha de sua auto-suficiência.

“Encontrar soluções inovadoras para problemas complexos realmente remonta aos nossos princípios fundamentais como fuzileiros navais”, disse Willis. “Tenho orgulho de fazer parte de um novo programa que pode ser um divisor de águas para o Corpo de Fuzileiros Navais”.

Os fuzileiros navais desdobrados aqui usam sua impressora 3D como alternativa, fonte temporária de peças. Como uma unidade permanentemente desdobrada, é crucial que a 31ª MEU tenha acesso às peças de reposição necessárias para operações sustentadas. A missão do 31º MEU – deslocar-se a qualquer momento quando a nação precisar – não é propícia a esperar por peças de reposição embarcadas do outro lado do mundo. Portanto, as capacidades de impressão 3D se encaixam no mandato expedicionário da MEU.

Sargento Adrian WillisCorpo do Corpo de Fuzileiros Navais, um técnico de computador e telefone do Combat Logistics Batalion 31, da 31ª Unidade Expedicionária de Fuzileiros Navais, se prepara para imprimir um modelo 3D a bordo do navio de assalto anfíbio multi-missão USS Wasp desdobrado no Oceano Pacífico, 7 de abril de 2018 – Foto: USMC

 

‘Consertar à Frente’

“Enquanto navegamos, nosso lema é “Consertar à Frente”, disse Daniel Rodriguez, chefe de manutenção do CLB-31. “A impressão em 3D é uma ótima ferramenta para fazer isso acontecer. O CLB-31 agora pode trazer essa capacidade para funcionar exatamente onde é mais necessário – em uma MEU desdobrada em posição avançada”.

Provando este conceito em 16 de abril, o Marine Fighter Attack Squadron 121 voou com sucesso uma aeronave F-35B Lightning II com uma peça que foi fornecida pela impressora 3D do CLB-31. O F-35B tinha um pára-choques de plástico em uma porta de trem de pouso se desgastando durante uma recente missão de treinamento. Apesar de ser uma peça pequena e simples, o único meio convencional de substituir o pára-choque era encomendar toda a peça da porta – um processo demorado e caro.

Usando um recém-lançado processo da Naval Air Systems Command para peças impressas em 3D, o esquadrão conseguiu imprimir o pára-choque, aprovado para uso e instalado em questão de dias – muito mais rápido do que esperar por uma peça de substituição dos Estados Unidos.

Marine Corps Chief Warrant Officer 2 Daniel Rodriguez, chefe de manutenção do Combat Logistics Batalion 31, da 31ª Unidade Expedicionária de Fuzileiros Navais, segura um pára-choque de plástico impresso em 3D para uma porta de trem de pouso do F-35B Lightning II a bordo do navio de assalto anfíbio multi-missão USS Wasp no Oceano Pacífico, em 19 de abril de 2018. Os fuzileiros navais do CLB-31 agora são capazes de “manufatura aditiva”, também conhecida como impressão 3D, que é a técnica de replicar modelos digitais em 3D como objetos tangíveis. Foto: USMC

‘Meu recurso mais importante é o tempo’

“Como comandante, meu recurso mais importante é o tempo”, disse o tenente-coronel Richard Rusnok, oficial do Corpo de Fuzileiros Navais. “Embora nosso pessoal de suprimentos e logística faça um excelente trabalho nos obtendo peças, ser capaz de fazer rapidamente nossas próprias peças é uma enorme vantagem.”

O VMFA-121 também fez história em março como o primeiro esquadrão F-35B a ser desdobrado em apoio a uma MEU.

Aproveitando ainda mais a capacidade de impressão 3D da MEU, a equipe de eliminação de material explosivo da MEU solicitou uma peça de modificação que atua como lente para uma câmera em um pequeno veículo terrestre não tripulado iRobot 310 – uma parte que não existia na época. A equipe de impressão 3D do CLB-31 projetou e produziu a peça, que agora está em operação e protege as lentes frágeis do drone.

Os modelos para o pára-choque de plástico e a tampa da lente serão enviados para um banco de dados de impressão 3D do USMC para torná-los acessíveis a qualquer unidade com as mesmas necessidades.

A 31º MEU continua a debater novas oportunidades para sua impressora 3D, como peças de aviação e dispositivos mecânicos que podem ser usados ​​para corrigir problemas do dia-a-dia. Embora apenas nos estágios iniciais de desenvolvimento, disseram as autoridades, a 31º MEU continuará a empurrar o envelope do que a impressão 3D pode fazer no esforço contínuo para tornar a MEU uma unidade mais letal e auto-suficiente.

FONTE: U.S. Department of Defense