MoD Russo: Defesa Aérea da Síria interceptou 71 mísseis de cruzeiro lançados pelo Ocidente

O Ministério da Defesa russo comentou sobre um ataque conjunto com mísseis americanos, britânicos e franceses contra a Síria, que ocorreu no dia em que os especialistas da OPCW (Organisation for the Prohibition of Chemical Weapons) deviam iniciar uma investigação sobre as alegações de um ataque químico em Douma, uma reivindicação denunciada por Damasco. como uma provocação.

O Ministério da Defesa russo afirmou que a maioria dos mísseis lançados pelos estados ocidentais na Síria foi derrubada pelas defesas aéreas da República Árabe enquanto se aproximavam de seus alvos.

“O sistema de defesa aérea sírio vem conduzindo uma luta antiaérea”, acrescentou o ministério.

Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, a Síria repeliu o ataque ocidental com sistemas de defesa aérea fabricados na URSS há mais de 30 anos.

“Os meios de defesa aérea da Síria: os sistemas de defesa aérea S-125, S-200, [assim como] as unidades Buk e Kvadrat foram usadas para repelir o ataque com mísseis.”

No final do dia, o Estado-Maior da Rússia emitiu um comunicado, dizendo que um total de 71 mísseis de cruzeiro de 103 foram interceptados pela Síria, acrescentando que nenhum aeródromo militar do governo foi danificado como resultado do ataque.

Míssil S-200 Angara/Vega/Dubna sírio, conhecido como SA-5 Gammon na OTAN
Sistema de mísseis Buk, designado com SA-11 e SA-17 pela OTAN
Sistema Kvadrat, ou 2K12 “Kub”, designado SA-6 “Gainful” na OTAN

“Há alguns anos, nos recusamos a fornecer sistemas de defesa aérea S-300 para a Síria devido ao pedido de alguns de nossos parceiros ocidentais. Levando em conta o que aconteceu, consideramos possível voltar a esta questão. E não apenas em relação à Síria, mas no que diz respeito a outros estados”, afirmou o Estado Maior.

As forças de defesa aéreas sírias interceptaram todos os 12 mísseis de cruzeiro, que foram usados ​​para atacar o aeródromo militar de Dumeir, segundo o Ministério da Defesa da Rússia.

Nos últimos 1,5 anos, a Rússia restaurou totalmente o sistema de defesa aérea da Síria e continua a melhorá-lo”.

Sistema de defesa aérea S-300, conhecido como SA-10 Grumble pela OTAN

Defesas Aéreas Russas não foram usadas para repelir ataque de mísseis

As defesas aéreas da Rússia não foram usadas para repelir o ataque com mísseis no território da República Árabe da Síria, disseram os militares.

Nenhum dos mísseis de cruzeiro lançados pelos EUA e seus aliados entrou na zona de responsabilidade das defesas aéreas russas, cobrindo objetos em Tartus [instalação naval] e Hmeymim [base aérea localizada na província de Latakia] “, explicou o Ministério da Defesa da Rússia.

“Os sistemas russos de defesa aérea nas bases de Hmeymim e Tartus detectaram e rastrearam todos os lançamentos de mísseis de veículos navais e aéreos dos EUA e da Grã-Bretanha”, afirmou o Estado-Maior da Rússia, acrescentando que não registrou a participação da aviação francesa na região do ataque.

De acordo com os militares russos, o ataque maciço de mísseis contra alvos de infra-estrutura militar e civil foi conduzido por navios de guerra dos EUA em conjunto com as forças aéreas britânicas e francesas no horário de 3:42-5:10 de Moscou.

Um total de 100 mísseis de cruzeiro e ar-terra foi lançado contra alvos na Síria, afirmou o Ministério da Defesa da Rússia, observando que dois navios de guerra dos EUA realizaram o ataque do Mar Vermelho, bem como a aviação tática sobre o Mar Mediterrâneo e  Bombardeiros de B-1B da área de al-Tanf.

Ocidente atacou a Síria no dia em que especialistas da OPCW (Organisation for the Prohibition of Chemical Weapons) começaram a investigar suspeita de ataque químico

Ao comentar a suposta resposta de Ocidente a um suposto ataque químico em Douma, que atribui a Damasco, o Estado Maior da Rússia enfatizou que armas químicas não foram produzidas na Síria.

“Acreditamos que este ataque não é uma resposta a um suposto ataque químico, mas uma reação ao sucesso das forças armadas sírias na libertação de seu território do terrorismo internacional”.

“O ataque foi realizado exatamente no mesmo dia em que a missão especial da OPCW estava marcada para começar seu trabalho em Damasco para investigar o incidente na cidade de Douma, onde armas químicas teriam sido usadas”, enfatizaram os militares russos.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, também criticou a decisão dos países ocidentais, dizendo que o ataque” foi lançado na capital de um Estado soberano que vem lutando pela sobrevivência há anos em meio à agressão terrorista”.

Durante o dia, Estados Unidos, Reino Unido e França lançaram ataques com mísseis contra vários alvos na Síria em resposta a um suposto ataque químico no subúrbio de Damasco, Douma, no leste de Ghouta, que foi atribuído a Damasco, apesar do lançamento de uma investigação sobre o incidente. Na sexta-feira, o Ministério da Defesa russo afirmou que tinha provas de que o “ataque químico” em Douma havia sido uma provocação e tinha sido encenado por ONGs apoiadas pelo Ocidente, incluindo os Capacetes Brancos.

Enquanto o chefe do Pentágono, James Mattis, disse que os ataques aéreos dos EUA à Síria foram um “tiro único”, o general Joseph Dunford, chefe do Estado-Maior Conjunto, disse a repórteres que Washington não tinha mais ataques planejados no momento.

Segundo Dunford, os Estados Unidos utilizaram um canal normal de solução de conflitos com a Rússia e não coordenaram alvos antes dos ataques aéreos na Síria. Ao mesmo tempo, ele disse que não sabia “de nenhuma atividade russa”, quando perguntado se alguma defesa russa havia engajado navios ou mísseis americanos, franceses ou britânicos.

Ao comentar sobre a possibilidade de um ataque com mísseis norte-americanos à Síria depois de acusações a Damasco de um ataque químico em Douma, que ainda não foi investigado por especialistas internacionais, o Ministério da Defesa da Rússia alertou que Moscou responderia se suas tropas na Síria estivessem ameaçadas.

As bases militares russas na Latakia da Síria – a base aérea de Hmeymim e a instalação naval de Tartus – foram protegidas pelos sistemas de defesa aérea S-400 e S-300, bem como pelo sistema de mísseis superfície-ar Pantsir-S1. De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, os sistemas S-400 e Pantsir fornecem cobertura aérea para o grupo russo de aviação Hmeymim, enquanto os S-300s protegem as instalações navais da Rússia.

FONTE: Sputnik News