Boeing e Lockheed têm um novo rival no espaço

Boeing e Lockheed têm um novo rival no espaço

Ninguém vende mais bens e serviços ao governo dos Estados Unidos do que a Lockheed Martin (NYSE: LMT) e Boeing (NYSE: BA). Esses dois gigantes aeroespaciais são os maiores contratados números 1 e 2 para os EUA, respectivamente — e para o Pentágono e a NASA — de acordo com um relatório de 2016 da Administração de Serviços Gerais dos EUA (GSA). E, no entanto, quando se trata de contratação para serviços espaciais, esses dois gigantes agora têm um novo rival, a Virgin, de Richard Branson.

Branson fundou cerca de cinco dúzias de várias empresas “Virgin”. Além da Virgin Airlines (que ele vendeu para a Alaska Air no ano passado), ele criou a empresa de turismo espacial Virgin Galactic, e também a subsidiária Virgin Orbit recentemente separada, que tem como objetivo lançar satélites usando aviões para disparar foguetes em órbita.

No mês passado, foi anunciado que o Departamento de Defesa dos EUA (DoD) contratou a Virgin Orbit para executar um “Programa de Teste Espacial”. A Virgin vai voar um Boeing 747 especialmente modificado chamado “Cosmic Girl” a 35.000 pés, e de lá vai disparar os foguetes descartáveis ​​”LauncherOne” que transportam “satélites de demonstração de tecnologia” em órbita. Os voos devem começar em algum momento em 2019 sob a égide do Departamento Experimental da Unidade de Inovação da Defesa (DIUx) do Departamento de Defesa.

O que é DIUx?
DIUx pode ser pensado como um braço de capital de risco do Pentágono. Com a tarefa de resolver um problema específico, o DIUx entra em “contratos-piloto de inovação comercial” com empresas privadas — e tem um foco particular na inscrição de “empresas não tradicionais ou pequenas empresas” como a Virgin (em oposição às mega empresas tradicionais a Lockheed e a Boeing ). As empresas que apresentam soluções viáveis ​​podem então “entrar facilmente em contratos de acompanhamento” com o Pentágono para a produção de suas soluções.

Buscando aproveitar este programa, a Virgin está criando uma subsidiária dedicada para trabalhar com o DIUx e outros departamentos de DoD neste e em outros trabalhos militares. A nova subsidiária Virgin será chamada de VOX Space (presumivelmente abreviação de Virgin Orbit eXperimental). Operando da Califórnia, a VOX Space já possui sua própria declaração de missão: “fornecer lançamentos competentes e acessíveis para a comunidade de segurança nacional dos EUA e seus aliados”.

O que isso significa para a Lockheed e a Boeing?
Através de vendas para o Pentágono, a NASA e outras agências governamentais, A Lockheed Martin acumulou US$ 43,4 bilhões em contratos governamentais no ano passado, de acordo com dados da GSA (a Boeing correu em segundo, com US$ 26,5 bilhões em contratos governamentais). Embora não saibamos exatamente o tamanho do contrato DIUx com a VOX Space, não é provável que a VOX Space represente qualquer perigo imediato para a hegemonia de contratação de defesa.

Mas as empresas Virgin de Branson provaram ser concorrentes agressivos e bem sucedidos para empresas mais estabelecidas. Tomada em conjunto com a ascensão de várias outras pequenas empresas pequenas de foguetes e satélites, uma maneira de ver a chegada da VOX Space na cena do novo espaço seria o desafio “apenas mais um” que a Lockheed e a Boeing devem superar.

Dito isto, a lista desses desafios – e desafiadores – está ficando bastante longa. Se a Boeing e a Lockheed não vigiarem, elas poderão ter seus negócios espaciais militares interrompidos por quem vem de baixo.

FONTE: The Motley Fool