Lockheed F-16V e Saab Gripen competem na Eslováquia

Por Giovanni de Briganti

A fabricante norte-americana Lockheed Martin entregou no dia 10 de abril uma oferta de aviões de combate F-16V à Eslováquia, que está na fase final de sua busca por um novo caça para substituir os obsoletos MiG-29 ainda operados por sua força aérea.

O F-16V, a última versão do venerável caça dos EUA, está competindo com o Gripen da Saab pela encomenda eslovaca. O ministro da Defesa, Peter Gajdoš, apresentará sua recomendação ao gabinete eslovaco até 29 de junho de 2018, de acordo com as informações da imprensa local.

A Eslováquia quer um caça moderno, de motor único, com menor consumo de combustível do que o bimotor MiG-29. A Eslováquia também quer substituir esses caças  para se libertar da dependência de manutenção e peças de reposição pela Rússia. Além disso, sua disponibilidade é inaceitavelmente baixa: enquanto a Eslováquia tem 12 MiG-29, apenas três a quatro são capazes de voar ”a qualquer momento, disse o analista de defesa Jaroslav Nad ao site DennikN.

Dada a semelhança geral entre o F-16 e o ​​Gripen – ambos são caças monomotores, com capacidades amplamente comparáveis ​​–, os custos de aquisição e operação provavelmente serão o critério de seleção dominante. A principal diferença de capacidade é que o F-16V está sendo oferecido com o radar APG-83 de varredura eletrônica ativa (AESA), enquanto o Gripen C oferecido pela Suécia possui um radar de varredura mecânica.

Uma diferença notável entre os dois concorrentes é que a versão “V” do F-16 não entrou em produção, e não estará disponível para entrega até 2022, no mínimo, enquanto o Gripen está em produção e, se a Eslováquia optar por um arrendamento como a Hungria e a República Tcheca, os Gripen C da Força Aérea Sueca podem ser entregues dentro de dois anos.

Caça Saab JAS 39D Gripen da Força Aérea Tcheca

Custos provavelmente ​​vão determinar a escolha

A oferta da Lockheed, conforme descrito em uma notificação do Congresso em 4 de abril pela Agência de Cooperação de Defesa, compreendendo 14 aeronaves F-16 Block 70/72 V com um pacote de armas relativamente modesto, custa US$ 2,91 bilhões, ou cerca de US$ 208 milhões por aeronave. incluindo armas, treinamento e apoio.

“O acordo proposto para a aeronave F-16 será capaz de competir com a aeronave Gripen sueca e fará parte de um pacote que inclui treinamento e armamento”, disse o representante Michael Kelley da Lockheed à agência de notícias local TASR, mas se recusou a especificar o custo real pois a venda ainda está em negociação. Ele também se recusou a especificar os custos das horas de voo, dizendo apenas que “embora o custo do Gripen possa ser menor, sua vida útil seria menor que a dos F-16”, relatou a TASR.

A porta-voz do MoD eslovaco Danka Capakova disse na semana passada que, na realidade, “o preço do F-16 será cerca de um bilhão de euros mais baixo, já que pelo menos na primeira fase a Eslováquia não irá para o pacote completo”, disse o site eslovaco da DennikN em 10 de abril.

O preço do Gripen não foi divulgado e, além disso, depende se a Eslováquia compraria os Gripens ou os alugaria. A República Tcheca está atualmente pagando 50 milhões de euros por ano para arrendar 14 Gripens, acrescentou.

Um porta-voz da Saab não pôde fornecer informações sobre a oferta da empresa para a Eslováquia até o final do prazo e disse em um e-mail de 12 de abril que “quando se trata de preços e tal, normalmente não divulgamos informações detalhadas por razões competitivas”. Um receio que o governo dos EUA e a Lockheed Martin obviamente não compartilham.

No entanto, é do conhecimento público que a Força Aérea Tcheca opera 14 Gripen por arrendamento sob contrato de 10 anos assinados em 2004 e que custam 19,6 bilhões de coroas checas (atualmente avaliados em US$ 770 milhões). Este acordo foi prorrogado por mais 12 anos em maio de 2014.

Com base na locação original, o custo do Gripen chega a 77 milhões de euros por ano às taxas de câmbio atuais, embora o custo provavelmente tenha aumentado quando a locação foi renovada.

Os custos de operação e manutenção do Gripen também são muito inferiores aos do F-16. Embora nenhum dado oficial esteja disponível, o semanário de defesa Jane’s diz que os custos da hora de voo do Gripen estão em torno de US$ 4.700, comparado a US$ 7.000 do F-16.

No entanto, o F-35 Selected Acquisition Report lançado em 19 de março e que compara os custos operacionais e de suporte F-35 e F-16C/D, fixa o custo por hora de voo do F-16C/D em US$ 26.000, dos quais US$ 6.000 para manutenção, US$ 2.000 para sustentar o apoio e US$ 10.000 para mão-de-obra no nível de unidade. As operações da unidade (US$ 6.000) e as melhorias contínuas do sistema (US$ 2.000) elevam o total para US$ 26.000.

Embora as comparações de custos diretos não sejam possíveis sem o conhecimento detalhado de ambas as ofertas, as ordens de grandeza entre o F-16V e o Gripen diferem suficientemente para que o saldo se incline para o segundo.

Mas um porta-voz da Lockheed sugeriu 12 de abril que “esperamos ver o que está na resposta do governo dos EUA, quando submetida, já que o preço real de ambos os licitantes dependerá de treinamento, logística, suporte de armas e não apenas da plataforma”. Ele acrescentou que “chamaria sua atenção para nossa afirmação de que teremos um preço competitivo em relação ao concorrente.”

MiG-29 da Eslováquia

Entregas de F-16 só em 2022

Michael Kelley, da Lockheed, disse à agência de notícias TASR que o F-16V não seria entregue antes de 2022, aparentemente para dar tempo à Força Aérea da Eslováquia de modernizar sua infraestrutura, acrescentando que os quatro primeiros F-16Vs deveriam ser entregues à Eslováquia na época.

O fato de a versão “V” do F-16 ainda não estar em produção provavelmente não está desconectado do prazo de entrega de quatro anos.

Isto significa que a Eslováquia teria de operar o MiG-29 por pelo menos mais cinco anos, o que provavelmente custará caro – estima-se que custem entre 200 e 250 milhões de euros – e alguns meios de comunicação eslovacos temem que, sendo secreto, este contrato poderia permitir algumas práticas comerciais obscuras e incentivar a corrupção.

O Gripen pode ser entregue mais rapidamente, informou a TASR. A Saab afirma que pode entregar os primeiros caças dentro de dois anos, o que permitiria à Eslováquia evitar o prolongamento do contrato de manutenção do MiG-29 com a Rússia, que termina no final de 2019.

“A diferença de alguns meses até a entrega dos novos caças  poderia ser superada pela cooperação com a República Tcheca, que poderia cuidar do nosso espaço aéreo”, disse Nad à DennikN.

FONTE: www.defense-aerospace.com